Notícias Naturais

Quando se trata de exposição ao sol, pouco não é necessariamente bom, mas muito de uma coisa boa também pode ser uma coisa ruim. Encontrar o equilíbrio certo entre, por um lado, evitar a exposição excessiva ao sol e, por outro, evitar condições de saúde relacionadas à insolação insuficiente e à vitamina D, é a chave.

Durante décadas, dermatologistas e outros profissionais de saúde insistiram que o uso de protetor solar com alto fator de proteção solar (FPS) é a melhor arma na luta contra o câncer de pele, o câncer mais comum nos Estados Unidos. Estudos descobriram, no entanto, que bloquear completamente os raios solares não é necessariamente uma coisa boa, pois pode resultar em baixos níveis de vitamina D, o hormônio que obtemos ao passar um tempo sob o sol.

Estudos descobriram que as pessoas que têm baixos níveis de vitamina D estão em maior risco de desenvolver doenças cardiovasculares, doenças respiratórias e câncer. Elas também são mais propensas a morrer mais cedo do que as pessoas com níveis ótimos de vitamina D.

Agora, um estudo recente da Food and Drug Administration (FDA) dos EUA levanta outra preocupação sobre o uso de protetores solares convencionais. A pesquisa revisada por pares e publicada no periódico Journal of American Medical Association (JAMA), descobriu que quatro dos produtos químicos mais usados ​​em protetores solares comerciais são absorvidos diretamente pela corrente sanguínea, onde podem durar até sete dias, atingindo níveis significativamente mais altos do que aqueles considerados seguros pela FDA.

Não é apenas superficial

Conforme relatado pelo site Truth Theory, os produtos químicos adicionados aos protetores solares para bloquear os raios ultravioleta – avobenzona, oxibenzona, octocrileno e ecamsule – foram aprovados para uso pelo FDA décadas atrás, quando se acreditava que eles não poderiam ser absorvidos pela pele.

No entanto, um estudo realizado por pesquisadores da FDA sobre como as moléculas que filtram o sol agem após serem pulverizadas ou esfregadas na pele, descobriu que essas substâncias químicas são, de fato, absorvidas pela pele e diretamente na corrente sanguínea.

Todos sempre pensaram que, porque estes são destinados a trabalhar na superfície da pele que eles não seriam absorvidos, mas eles são absorvidos“, explicou a co-autora e diretora da divisão de produtos farmacêuticos sem receita da FDA, Theresa Michele.

As descobertas do estudo estão em oposição direta ao que os fabricantes de filtros solares vêm insistindo há anos.

Um total de 24 voluntários – 12 homens e 12 mulheres – foram incluídos no ensaio em pequena escala. Cada um foi designado para aplicar um dos quatro protetores solares comercialmente disponíveis. Dois foram sprays, um era uma loção e um creme. Os participantes foram solicitados a aplicar o protetor solar, conforme recomendado pelos fabricantes, quatro vezes ao dia, durante um período de quatro dias. Eles foram convidados a cobrir 75 por cento da sua pele, que é a quantidade que você usaria se estivesse vestindo um maiô.

Os resultados? O Truth Theory relata:

Ao longo dos quatro dias, e durante três dias depois, os pesquisadores coletaram sangue a cada poucas horas e analisaram a presença de avobenzona, oxibenzona, octocrileno e ecamsule. No total, 30 amostras foram coletadas.

A equipe descobriu que os produtos químicos fotoprotetores infiltram-se na corrente sanguínea poucas horas depois de serem aplicados. Isso fez com que as concentrações subissem acima do limiar toxicológico da FDA, o que desencadeia testes adicionais de segurança. Além disso, os níveis de três dos quatro protetores solares permaneceram elevados até o final do estudo – três dias depois que os participantes pararam de aplicá-los em seus corpos. Os usuários da versão em creme viram suas concentrações diminuírem de forma mais rápida.

Leia mais:

Uso Excessivo de Protetor Solar Pode Levar à Deficiência de Vitamina D

Protetor Solar Está Matando as Pessoas Bloqueando a Produção de Vitamina D, a qual Previne o Câncer, Diabetes, Doenças Renais e Mais

Fontes:
Natural News: If you use “regular” sunscreen, you are poisoning your blood with cancer-causing chemicals
Journal of American Medical Association: Effect of Sunscreen Application Under Maximal Use Conditions on Plasma Concentration of Sunscreen Active Ingredients
– Truth Theory: FDA Analysis Reveals Sunscreen Chemicals Soak All the Way Into Your Bloodstream

1 Comment

  • Sandra disse:

    Cientistas estão sempre se contradizendo enquanto a gente serve de cobaia. Alimentos, remédios, cremes dermatológicos, dentifricios, colírios, por exemplo, vez em quando são alvo desses estudos, que neles descobrem substâncias danosas à saúde humana, após pessoas os utilizarem “na boa ” confiando neles. Ora, diachos, porque nao viram isso antes da gente se envenenar com eles? E qual será o próximo vilão a ser estudado e divulgado para nao ser comprado, usado e nao matar quem compra e usa?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Suporte nosso site