Notícias Naturais

Consumir azeite de oliva uma vez por semana reduz o risco de formação de coágulos sanguíneos arteriais em adultos obesos. Em um novo estudo, pesquisadores da Escola de Medicina da Universidade de Nova York descobriram que o consumo de azeite reduz a atividade plaquetária em adultos obesos.

As plaquetas são pequenos fragmentos de células sanguíneas que formam aglomerados quando ativadas. Quando um vaso sanguíneo é danificado, as plaquetas correm para o local da lesão para formar coágulos e parar o sangramento. No entanto, por mais benéficas que sejam, essas plaquetas também contribuem para o acúmulo de placas nas artérias, o que leva a uma condição chamada aterosclerose.

De acordo com Sean Heffron, principal autor do estudo, a aterosclerose é a causa subjacente da maioria dos ataques cardíacos e derrames.

A ingestão regular de azeite impede a agregação excessiva de plaquetas

Usando pesquisas de frequência alimentar, os pesquisadores determinaram com que frequência 63 participantes obesos, não fumantes e não diabéticos, com um IMC médio de 44,1, consumiam azeite de oliva. Eles descobriram que aqueles que consumiam azeite uma vez por semana tinham menor ativação plaquetária do que aqueles que comiam menos azeite. Além disso, os participantes que consumiam mais azeite tinham a menor quantidade de agregação plaquetária.

Os pesquisadores acreditam que, além dos antioxidantes encontrados no azeite de oliva, seu efeito anti-plaquetário está ligado à sua estrutura molecular.

As pessoas que são obesas correm maior risco de ter um ataque cardíaco, derrame ou outro evento cardiovascular, mesmo que não tenham diabetes ou outras condições associadas à obesidade. Nosso estudo sugere que a escolha de consumir azeite de oliva pode ter o potencial de ajudar a modificar esse risco, potencialmente diminuindo a ameaça de uma pessoa obesa de ter um ataque cardíaco ou derrame”, disse Heffron.

A co-autora Ruina Zhang explicou ainda: “Para o nosso conhecimento, este é o primeiro estudo para avaliar os efeitos da composição da dieta, especificamente o azeite, na função plaquetária em pacientes obesos.”

Os pesquisadores apresentaram suas descobertas preliminares na Epidemiology and Prevention/Lifestyle and Cardiometabolic Health Scientific Session da American Heart Association, em Houston.

Alimentos tipicamente consumidos na dieta mediterrânea

O azeite é um componente chave da Dieta Mediterrânea, que promove a saúde do coração. Esta dieta é baseada nos alimentos tradicionais que as pessoas da Itália e da Grécia comeram durante a década de 1960. A Dieta Mediterrânea envolve uma alta ingestão de alimentos saudáveis ​​à base de plantas e um consumo mínimo de alimentos de origem animal. A lista abaixo inclui alguns dos alimentos comuns que as pessoas da Dieta Mediterrânea consomem.

Azeite

Tamanho da porção: 1 colher de sopa
Calorias por porção: 120
Nutrientes por porção: 13 gramas (g) de gordura, das quais 2 g são saturadas
Benefício: O azeite de oliva pode reduzir o risco de doenças cardiovasculares.

Tomates

Tamanho da porção: 1 xícara de chá
Calorias por porção: 32
Nutrientes por porção: 1,5 g de proteína, 7 g de carboidratos, 2 g de fibra, 5 g de açúcar
Benefícios: Os tomates contêm licopeno, um poderoso antioxidante associado à redução dos riscos de alguns tipos de câncer, como próstata e câncer de mama. Os tomates também contêm compostos que auxiliam a saúde cardiovascular, reduzindo o risco de coágulos sanguíneos.

Salmão

Tamanho da porção: 100 g
Calorias por porção: 133
Nutrientes por porção: 22 g de proteína, 5 g de gordura
Benefícios: Este peixe gordo é uma rica fonte de ácidos graxos ômega-3, os quais promovem a saúde do coração. A American Heart Association recomenda consumir peixe gordo pelo menos duas vezes por semana.

Romãs

Tamanho da porção: ½ xícara de chá
Calorias por porção: 72
Nutrientes por porção: 1,5 g de proteína, 1 g de gordura, 16 g de carboidratos, 4 g de fibra, 12 g de açúcar
Benefícios: As romãs são ricas em polifenóis – compostos vegetais conhecidos pelas suas propriedades antioxidantes e anti-inflamatórias. Em um estudo publicado na revista Advanced Biomedical Research, os pesquisadores relataram que as romãs contêm compostos que têm propriedades anti-câncer.

Iogurte grego

Tamanho da porção: 200 g
Calorias por porção: 146
Nutrientes por porção: 20 g de proteína, 4 g de gordura: 2 g é saturado, 1 g é monoinsaturado; 8 g de carboidratos, 7 g de açúcar
Benefícios: O iogurte grego é rico em cálcio, um mineral essencial para a saúde óssea

O azeite é uma ótima alternativa para outras gorduras e óleos atualmente disponíveis no mercado.

Leia mais:

Romã: Como Limpar e Desobstruir Suas Artérias com uma Única Fruta

Apenas uma Colher de Sopa de Azeite de Oliva por dia Pode Fazer Maravilhas Pela sua Saúde

Fontes:
Natural News: Olive oil, just once a week, can lower your risk of a blood clot
Medical Xpress: Eating olive oil once a week may be associated with making blood less likely to clot in obese people
Advanced Biomedical Research: Potent health effects of pomegranate
– Annual Review of Food Science and Technology: An Update on the Health Effects of Tomato Lycopene
– Journal of Clinical Nutrition: Monounsaturated fats from plant and animal sources in relation to risk of coronary heart disease among US men and women
– Everyday Health: What Is the Mediterranean Diet? Your Ultimate Guide to the Heart-Healthy Eating Philosophy
– University Rochester Medical Center: What Are Platelets?

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Suporte nosso site