Notícias Naturais

Os ácidos graxos são constituídos por três tipos diferentes – ômega-3, ômega-6 e ômega-9. Cada um desses tipos de ácidos graxos exerce diferentes efeitos sobre a saúde humana. Embora os ácidos graxos ômega-3 sejam definitivamente benéficos para os seres humanos, grandes quantidades de ômega-6 podem não ser saudáveis, enquanto o ômega-9 pode ser útil, mas é facilmente adquirido de qualquer maneira.

A maioria dos tipos de gordura “não essenciais” pode ser produzida por um corpo humano saudável a partir de alimentos e outras gorduras. Mas os ácidos graxos ômega-3 e ômega-6 são ácidos graxos essenciais que só podem ser obtidos a partir de alimentos.

Os ácidos graxos ômega-3 são importantes para a saúde e integridade das células. Eles são usados ​​para construir membranas celulares e influenciar receptores nas células. Eles também ajudam a regular as funções das artérias e genes.

Os ácidos graxos ômega-3 são tão bons quanto você ouviu – e mais um pouco

O ômega-3 é encontrado em três formas. O ácido eicosapentaenoico (EPA) e o ácido docosaexaenoico (DHA) são comumente encontrados em peixes de água fria, razão pela qual eles são apelidados de “ômega-3 marinhos”.

O último é o ácido alfa-linoleico (ALA). A forma mais difundida do ácido graxo na dieta ocidental, ALA é encontrada na chia, as sementes e óleos de linhaça, cânhamo, vegetais folhosos, nozes e óleos vegetais. Também pode ser obtido a partir de gorduras de animais de criação alimentados com capim. O ALA é geralmente usado como fonte de energia pelo corpo.

O benefício de saúde mais conhecido dos ácidos graxos ômega-3 é seu auxílio ao sistema cardiovascular. Eles também têm outros benefícios, como combater a inflamação e doenças associadas, como o câncer. Um estudo de 2015 realizado por pesquisadores da Universidade do Kansas (KU) mostrou que as mulheres com altos níveis de EPA e DHA em suas dietas desfrutam de menores riscos de câncer de mama.

Os ácidos graxos ômega-6 são realmente tóxicos

Os ácidos graxos ômega-6, por outro lado, não são tão saudáveis ​​quanto o ômega-3. A partir da década de 1990, quantidades crescentes de evidências mostram que altos níveis desses ácidos graxos podem ser prejudiciais, especialmente se houver muito mais ômega-6 do que ômega-3.

O ômega-6 toma a forma de ácido linoleico em óleos à base de plantas feitos de milho, canola, soja e girassol. Quando submetidos a altas temperaturas, esses óleos vegetais produzem uma toxina chamada 4-Hydroxynonenal (HNE). A técnica culinária comum de fritura produz calor suficiente para criar HNE.

Quantidades excessivas de ácidos graxos poli-insaturados ômega-6 (PUFA) e uma alta relação ômega-6/ômega-3, como é encontrada nas dietas ocidentais de hoje, promovem a patogênese de muitas doenças, incluindo doenças cardiovasculares, câncer e doença autoimune”, explicaram pesquisadores do The Center for Genetics, Nutrition and Health em Washington, DC

Ômega-9 não é essencial, mas pode ser benéfico

O último tipo de ácidos graxos ômega é o ômega-9. Ao contrário dos outros tipos, esses ácidos graxos não são essenciais. Um corpo humano saudável pode produzir o suficiente dele.

Ácidos graxos ômega-9 gerenciam as concentrações de colesterol no corpo. Eles aumentam os níveis do bom colesterol, ao mesmo tempo que reduz a quantidade de colesterol ruim presente no corpo.

Para as pessoas que estão interessadas em aumentar os ácidos graxos ômega-9, eles são encontrados no azeite de oliva.

A Organização Mundial da Saúde recomenda uma proporção de cinco a 10 ômega-6 para cada ômega-3. Isso pode ser conseguido evitando alimentos fritos e outros alimentos cozidos em fogo alto, ao mesmo tempo em que se consome alimentos ricos em ômega-3 e suplementos de óleo de peixe, conforme necessário.

Leia mais:

[Estudo] Ômega-3 Melhora a Qualidade de Vida de Sobreviventes do Câncer de Mama

Sentindo-se Deprimido e Mal-Humorado? Então, Você Precisa de Ômega 3

Fontes:
Natural News: What you need to know about omega-3, 6 and 9
Natural Health 365: Omega 3, 6 and 9: The good, the not-so-good and the questionable
– NCBI: Omega-3 fatty acids for breast cancer prevention and survivorship.
– World Health Organization: 5. Population nutrient intake goals for preventing diet-related chronic diseases

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Suporte nosso site