Notícias Naturais
Receitas para Secar em 30 dias

Crianças com desordem do espectro do autismo (TEA) exibiram níveis mais elevados de diversos metais pesados tóxicos – tais como o chumbo, tálio e estanho, bem como mercúrio e cádmio – em comparação com os seus pares mais saudáveis, de acordo com um estudo publicado na revista  Biological Trace Element Research. Como parte do estudo, uma equipe de pesquisadores da Universidade Estadual do  Arizona comparou amostras de sangue e urina de 55 crianças com autismo entre cinco e 16 anos contra 44 crianças saudáveis ​​da mesma idade e sexo.

A equipe de pesquisa descobriu que as crianças com autismo tinham níveis de chumbo no sangue 41% maiores e níveis de chumbo urinário 74% mais altos em comparação com seus pares mais saudáveis. Os especialistas também descobriram que o grupo de autismo teve níveis de tálio 77% mais altos e 44% mais altos que os do grupo de controle. Além disso, as crianças com autismo apresentaram níveis 115% mais elevados de estanho em comparação com os controles. Chumbo, tálio, estanho e tungstênio demonstraram prejudicar o desenvolvimento e função do cérebro, e também podem impedir o funcionamento normal de outros órgãos e sistemas do corpo, disse o líder do estudo, James Adams.

Além disso, os pesquisadores realizaram uma análise estatística para determinar se os níveis de metais tóxicos coincidem com a gravidade do autismo em crianças. A equipe de pesquisa usou três diferentes escalas de gravidade do autismo na análise. Os especialistas descobriram que 38 a 47 por cento da variação na gravidade da doença foram correlacionados com os níveis de metais tóxicos presentes. A equipe de pesquisa também observou que os metais pesados, como mercúrio e cádmio, estavam fortemente associados à gravidade do autismo.

Nós supomos que reduzir a exposição precoce a metais tóxicos pode ajudar a melhorar os sintomas do autismo, e o tratamento para remover metais tóxicos pode reduzir os sintomas do autismo; essas hipóteses precisam ser mais exploradas, pois há um corpo crescente de pesquisas para apoiá-la”, disseram os pesquisadores ao site Science Daily.

As organizações sem fins lucrativos Autism Research Institute e Legacy Foundation financiaram o estudo.

A exposição ao mercúrio através da vacinação pode desencadear o início do autismo

As descobertas recentes acrescentam evidências crescentes ligando os metais pesados ​​ao autismo em crianças. Uma análise conduzida pela Universidade do Norte de Iowa revelou que 43 dos 58 relatórios científicos demonstraram uma conexão potencial entre os metais pesados ​​e o início do autismo em crianças. A equipe de pesquisa também observou vários erros estatísticos nos estudos e realizou uma reanálise para descartar as discrepâncias. A re-análise mostrou que as crianças com autismo, na verdade, tinham níveis mais elevados de metais pesados em seu corpo.

Em outro estudo, macacos de bebês que receberam vacinas similares ao calendário de vacinas pediátricas da década de 1990 mostraram disfunção da amígdala em comparação com os macacos não vacinados. Estudos anteriores descobriram uma ligação entre a disfunção da amígdala e início do autismo. Os resultados de ambos os estudos foram publicados na revista Acta Neurobiologiae Experimentalis.

O rápido aumento do autismo não pode ser explicado apenas pelas mudanças nas práticas de diagnóstico e conscientização. Devemos olhar para o que os bebês e as mulheres grávidas estão sendo expostos, o que criou esta epidemia e tomar medidas imediatas para proteger as crianças contra essas substâncias perigosas… Enquanto esperamos que o governo aja, o público pode tomar medidas para limitar suas exposições a toxicantes que podem alterar o desenvolvimento fetal e infantil, levando a deficiências de desenvolvimento, como o autismo. O público pode recusar vacinas feitas com mercúrio, pode fazer escolhas para o cronograma de vacinação de seus filhos e pode criar casas que são em grande parte livres de mercúrio”, disse Sallie Bernard, presidente da SafeMinds, uma organização sem fins lucrativos.

Dois estudos publicados na revista Metabolic Brain Disease confirmaram que o mercúrio estava associado à gravidade do autismo. Para realizar a pesquisa, especialistas em saúde examinaram 100 crianças e descobriram que as pessoas com autismo tinham níveis significativamente mais altos de mercúrio em comparação com seus irmãos e seus pares mais saudáveis. A equipe de pesquisa também descobriu que as crianças com os níveis mais altos de mercúrio exibiam os sintomas mais graves do autismo.

Leia mais:

Chlorella e Coentro Podem Remover 80% dos Metais Pesados do Corpo em 42 Dias

Exposição a Produtos Químicos Demonstrou ser a Causa do Aumento das Condições Neurológicas da Infância

Fontes:
– Natural News: Exposure to heavy metals linked to autism in children… and vaccines still contain mercury
– Science Daily: Higher levels of several toxic metals found in children with autism
– UPI: Toxic metal levels linked to autism

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Suporte nosso site