Notícias Naturais
Receitas para Secar em 30 dias

Traços de atrazina, um herbicida popular, foram detectados em 94 por cento do abastecimento de água estudado pela USDA, tornando-o mais comum contaminante do que qualquer outro pesticida. E, para uma estimativa de 7,6 milhões de americanos, a atrazina contamina o fornecimento de água potável em quantidades que potencialmente ameaçam a saúde humana. Agora, uma nova pesquisa mostrou que a atrazina está causando um aumento nos defeitos congênitos.

O Dr. Paul Winchester, diretor médico da Unidade de Neonatal e Terapia Intensiva do Hospital St. Francis, em Indianápolis, recentemente liderou um estudo investigando o motivo de haver uma maior incidência de defeitos congênitos em Indiana, em comparação com outros estados. E o que Winchester descobriu foi que as altas concentrações de atrazina no abastecimento público de água são as culpadas.

Atrazina ligada a defeitos congênitos

O estudo, que foi financiado pela Fundação Gerber, foi publicado pela revista PLOS One em 2017. Como relata o site Eco Watch, o Dr. Winchester lançou sua investigação sobre os defeitos de nascimento e a atrazina depois que ele notou um número marcadamente maior de defeitos congênitos quando se mudou de Denver para Indiana. “Eu estava acostumado com o número de defeitos congênitos que eu deveria ver em um hospital da comunidade, e vi muitos mais em Indiana“, ele comentou.

Pesquisas anteriores ligaram a atrazina a uma série de problemas, incluindo câncer e problemas de fertilidade.

No estudo, o Dr. Winchester e sua equipe descobriram que os níveis de contaminação por atrazina na água pública são os mais altos durante os meses de maio e junho, quando os agricultores estão pulverizando suas plantações com o herbicida.

Essa descoberta também coincide com os dados que a equipe reuniu sobre a incidência de defeitos congênitos.

Nós planejamos concentrações de água e defeitos congênitos, e eles se encaixam como um chapéu“, observou Winchester.

Ainda mais alarmante, a equipe também descobriu que a atrazina é capaz de produzir mudanças epigenéticas no DNA. A epigenética é uma nova área da ciência que sugere que o DNA humano não é imutável e pode ser alterado por fatores ambientais, como os pesticidas. Essas alterações epigenéticas podem ser adquiridas por bebês durante a gravidez, de acordo com Winchester.

A exposição a toxinas se torna genética

Uma vez que uma mudança epigenética é adquirida, ela se torna um traço hereditário que pode ser passado para as gerações futuras.

Embora pareça que as gerações futuras sofreriam menos efeitos de exposição, a equipe de Winchester descobriu que esse não era o caso. Em seu estudo de modelos animais, a primeira geração de ratos cuja mãe foi exposta à atrazina pesou menos que o grupo controle. Na segunda geração, os pesos mais baixos foram novamente observados – e os ratos também tiveram casos de doença testicular e câncer de mama.

A terceira geração ficou ainda pior.

Esperamos até a terceira geração, onde não houve exposição direta (à atrazina), para perguntar se esses efeitos epigenéticos poderiam ser herdados, porque não há mecanismo, nenhuma exposição, nenhuma toxicidade que pudesse explicar uma mudança nas taxas de doença na terceiro geração. Descobrimos que 50% dos filhotes tinham várias doenças, problemas emocionais e físicos, hiperatividade, esperma anormal e puberdade precoce”, afirma o autor do estudo.

A atrazina foi proibida pela União Europeia devido à sua persistente contaminação das águas subterrâneas. Muitos estudos indicaram que a atrazina é tóxica e altamente prejudicial a todos os organismos com os quais entra em contato.

A descoberta de que esse pesticida comum pode causar danos e doenças multigeracionais mostra que até mesmo a ciência tem suas limitações. Mesmo remédios receitados podem estar causando consequências não intencionais muito além da imaginação, simplesmente através de mudanças epigenéticas. Para esse fim, os efeitos que uma vida de exposição a pesticidas, fertilizantes químicos, plastificantes e outras toxinas terão nas futuras gerações devem ser um pouco mais preocupantes, tanto para o público quanto para os órgãos federais encarregados de proteger a saúde pública e o meio ambiente.

Passamos por um experimento nos últimos 70 anos e não há um estudo sobre efeitos multigeracionais”, afirma Winchester.

Leia mais:

[Atrazina] Homens, Cuidado com Esta Substância Tóxica na Comida e Meio Ambiente

Fontes:
Blog Anti Nova Ordem: Atrazina, um Herbicida Amplamente Utilizado nos EUA, Levou ao Aumento de Defeitos Congênitos
– Natural News: Atrazine, a widely used herbicide in the U.S., has led to a shocking increase in birth defects
– EcoWatch: Environmentally-Caused Disease Crisis? Pesticide Damage to DNA Found ‘Programmed’ Into Future Generations
– EWG: Atrazine: A Harmful Weedkiller Taints Tap Water for Millions in U.S.
– Pesticide Action Network: Atrazine

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Suporte nosso site