Notícias Naturais

Um dos problemas de saúde mais assustadores que o mundo enfrenta hoje é a explosão de superbactérias resistentes a antibióticos como a Staphylococcus aureus resistente à meticilina, ou MRSA. Essas bactérias podem causar infecções, pneumonia e outros problemas. Quando não controlada – o que é frequentemente o caso porque é notoriamente difícil de tratar – pode levar à sepse e à morte. Se os antibióticos, uma das mais incríveis invenções da medicina moderna, não forem suficientes para abordar a MRSA, o que pode ser feito a respeito? Pesquisas mostram que a natureza pode ter a resposta na forma de cúrcuma.

Esta raiz que está relacionada com a planta de gengibre, é frequentemente usada na culinária. Nativa da Índia e do Sudeste da Ásia, está prontamente disponível em pó, fresca e em forma de suplemento. À medida que mais informações vêm à luz sobre seus muitos benefícios para a saúde, sua popularidade continua a subir.

Agora, um estudo publicado na revista Molecule mostra o papel promissor de que a curcumina, o polifenol primário encontrado na cúrcuma que lhe confere sua cor dourada característica, atua na reversão da resistência das bactérias infecciosas aos antibióticos convencionais.

Pesquisas anteriores mostram que a curcumina pode ter efeitos sinérgicos com certos antibióticos. Portanto, os pesquisadores queriam explorar como a curcumina interage com as bactérias S. aureus em várias condições. Eles descobriram que o crescimento das bactérias foi inibido em cepas de MRSA que foram expostas à curcumina.

Uma revisão da ação antibacteriana da curcumina contra essa bactéria publicada no Journal of Tropical Medicine descobriu que o tempero asiático é realmente eficaz contra a S. aureus. Além disso, os pesquisadores observaram que experimentos in vitro mostraram que os efeitos da curcumina são ainda mais poderosos quando usados ​​em conjunto com outros agentes antibacterianos. Eles acreditam que um dia poderia ser desenvolvido em um antibiótico natural.

Um dos aspectos mais interessantes desta história é o fato de que a curcumina tem pouca ou nenhuma toxicidade em doses ativas, ao contrário de muitos outros medicamentos usados ​​para tratar infecções.

As impressionantes realizações  da curcumina para a saúde 

A curcumina tem uma impressionante variedade de benefícios que vão muito além de sua capacidade de combater a MRSA. De fato, ela tem sido o assunto de milhares de estudos e demonstrou matar bactérias como a E. coli, Helicobacter Pylori e Bacillus subtilis. Ela também pode inibir ou matar uma variedade de vírus que inclui a hepatite B e C, vírus Coxsackie, HIV, HSV-1, Epstein-Barr e o vírus da encefalite japonesa, de acordo com o site científico Green Med Info.

Ela é um anti-inflamatório natural, que ajuda a combater a inflamação de baixo nível que pode estimular doenças como a síndrome metabólica, doenças degenerativas, doenças cardíacas, Alzheimer e câncer. Ela tem sido associada a melhorias no funcionamento do cérebro e um menor risco de doença cerebral, e também pode ser útil para aqueles com artrite.

Acima de tudo, a cúrcuma tem sido estudada extensivamente por seus efeitos anti-câncer, e esta atenção é certamente justificada, dada a prevalência da doença. No entanto, ao mesmo tempo, sua ação antibiótica natural não deve ser menosprezada, pois enfrentamos maiores desafios ao lidar com as superbactérias resistentes a antibióticos que devastam hospitais em todo o mundo. Enquanto os médicos continuarem prescrevendo antibióticos para cada queixa menor que os pacientes têm, é um problema que só vai piorar, e encontrar uma solução deve ser uma prioridade.

Leia mais:

Pesquisadores Exploram Como a Curcumina age contra o Câncer em Nível Atômico

[Estudo] Cúrcuma Suprime o Crescimento de Canceres de Cabeça e Pescoço

Fontes:
– Natural News: Research indicates that turmeric may help mitigate the growth of MRSA superbugs
– GreenMedInfo: Could Turmeric Save Us From The CDC’s ‘Nightmare Bacteria’?
– CDC: General Information About MRSA in the Community
– NCBI: Antibacterial Action of Curcumin against Staphylococcus aureus: A Brief Review

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Suporte nosso site
Social PopUP by SumoMe