Notícias Naturais

Um estudo publicado na revista mBio revelou que o parasita causador da malária Plasmodium vivax infecta seus hospedeiros muito, muito mais profundo do que se pensava anteriormente. Pesquisadores encontraram evidências de que o parasita penetra tão profundamente quanto a medula óssea, onde muitas vezes permanece indetectável e sem impedimentos de iniciar e disseminar a doença.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) relata que dos 216 milhões de casos de malária em todo o mundo em 2016, cerca de 445.000 terminaram em morte. A doença é causada por Plasmodium, parasita microscópico que vitimiza as células do sangue.

Os parasitas são transmitidos pela picada dos mosquitos Anopheles, que captam o microrganismo dos portadores infectados que foram picados anteriormente. Como outras doenças transmissíveis pelo sangue, a malária pode ser transmitida através de transfusões de sangue, transplantes de órgãos e compartilhamento de agulhas e seringas. Uma criança também pode herdar a doença de uma mãe infectada em um caso chamado malária congênita.

Existem quatro parasitas conhecidos responsáveis ​​por causar a condição. Entre eles, o Plasmodium falciparum é o mais letal, causando cerca de 90% das mortes.

O P. vivax é conhecido como a malária “benigna” não porque sua infecção resulta em menos mortes, mas porque causa pouco ou nenhum sintoma. Testes de sangue em seus hospedeiros também detectam baixo número de parasitas. Os cientistas sabem agora porque.

Quando os parasitas causadores da malária entram no corpo humano, eles vão para o fígado, onde amadurecem. Depois de vários dias, eles entram na corrente sanguínea e infectam os glóbulos vermelhos, dentro dos quais se multiplicam. Eles matam a célula abrindo-a e depois procuram outras células para atacar. É esse ciclo selvagem que causa os sintomas atribuídos à malária.

A pesquisa sobre o P. vivax

No caso do P. vivax , os pesquisadores acreditam que os parasitas formam um reservatório dentro da medula óssea, onde mesmo os exames de sangue atuais não conseguem detectá-los. Isso explica por que poucos parasitas são encontrados no sangue.

Nós suspeitamos que havia um reservatório de parasita em algum lugar do corpo, e ninguém havia encontrado ainda“, disse o autor sênior Matthias Marti, professor da Faculdade de Saúde Pública de Harvard e do Institute of Infection, Immunity & Inflammation da Universidade de Glasgow.

Suspeitas de que o reservatório estava na medula óssea surgiram após observações de que o P. vivax frequentemente visava células jovens do sangue. A medula óssea é responsável pela produção de células sanguíneas.

Para confirmar sua hipótese, os pesquisadores analisaram o transcritoma do P. vivax para identificar as proteínas transmitidas pelo sangue que agem como marcadores correspondentes a cada estágio do ciclo de vida do micróbio. Eles então procuraram por esses marcadores em amostras de sangue de pacientes infectados.

Eles descobriram que as amostras de sangue não representavam uma grande parte dos estágios da vida dos parasitas. Isso significa que esses estágios ocorreram e se acumularam em outra área do corpo.

A equipe então estudou os tecidos infectados de 13 fontes de primatas não humanos (a malária também pode infectar macacos). Estes tecidos incluíam gordura subcutânea, cérebro, intestino, fígado, pulmão e medula óssea. Os três primeiros produziram poucos ou nenhum parasita, mas um exame dos três últimos revelou reações de anticorpos a todos os estágios do ciclo de vida de P. vivax.

O exame do fígado e da medula óssea também localizou parasitas fora dos vasos sanguíneos. Os cientistas estimaram que esses dois órgãos por si só representavam 30% da carga parasitária dos animais ou o número total de parasitas. Mais estudos estão sendo realizados sobre como a malária se desenvolve dentro da medula óssea.

As descobertas do estudo são cruciais para o desenvolvimento de exames de sangue que são mais capazes de encontrar agentes ocultos da malária e outras doenças.

O estudo abre uma nova área de investigação“, disse Marti.

Leia mais:

Pesadelo Transgênico: Humanos Criaram um MOSQUITO MONSTRO que Agora é Resistente aos Pesticidas

Fontes:
– Natural News: New study reveals that the malaria parasite can infect you as deep as your bone marrow
– Science Daily: Malaria parasite accumulates undetected in bone marrow
– WHO: Malaria
– Health Line: Malaria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Suporte nosso site
Social PopUP by SumoMe