Notícias Naturais

Especialistas em saúde têm pesquisado dados tentando descobrir a causa de tantas crianças nos dias de hoje sofrerem de atenção e hiperatividade, ou TDAH, e eles só podem ter tropeçado sobre um dos maiores culpados: o bisfenol A (BPA).

Uma nova pesquisa publicada na revista Environment International destaca o fato de que o BPA, assim como outros produtos químicos usados ​​em plásticos, é um disruptor endócrino, o que significa que ele interfere na produção e no equilíbrio hormonal.

Crianças expostas a BPA no início da vida, constatou a revisão, são muito mais suscetíveis do que outras crianças para desenvolver problemas comportamentais, como a hiperatividade mais tarde na vida. A revisão analisou mais de 30 diferentes estudos científicos sobre o assunto, com seus autores declarando que ele é uma “prova convincente” no quebra-cabeça da causa do TDAH.

Heather Patisaul, do Departamento de Ciências Biológicas da Universidade Estadual da Carolina do Norte, que não esteve envolvida na revisão, declarou que as regulamentações governamentais sobre a exposição ao BPA são severamente defeituosas, e que mesmo o que é considerado uma quantidade “segura” de exposição ao BPA pode ter um profundo efeito negativo sobre o desenvolvimento infantil.

O que os reguladores pensam ser uma dose ‘segura’ para o cérebro em desenvolvimento precisa ser reavaliado“, disse ela.

A publicação desta revisão ocorre apenas duas semanas depois de a Food and Drug Administration (FDA) divulgar sua declaração sobre as conclusões preliminares de um estudo do governo federal de dois anos sobre o BPA, que é comumente adicionado a recibos de papel térmico, revestimentos de latas e embalagens de alimentos.

Depois de supostamente avaliar como quantidades diferentes de BPA afetam os ratos, a FDA declarou que o BPA é “seguro para os usos atualmente autorizados em recipientes e embalagens de alimentos”. Esta afirmação, no entanto, é contestada por cientistas de todo o mundo que reconhecem que, mesmo em quantidades relativamente baixas, a exposição ao BPA é prejudicial ao sistema endócrino.

Leia também: [Estudo] BPA: Tocar em Recibos Pode Prejudicar sua Saúde

Ciência: Até 90 por cento das pessoas têm vestígios de BPA em seus corpos

O fato é que o BPA não permanece em suas várias aplicações de produtos, já que os estudos mostraram que ele se espalha facilmente para os alimentos. A consequência é que até 90 por cento das pessoas têm BPA em seus corpos, onde ele interfere diretamente na produção e uso de hormônios.

Estudos em animais e humanos sugerem que o BPA tem múltiplos impactos na saúde, especialmente em bebês e crianças. Estes incluem obesidade, asma, baixo peso ao nascer e defeitos genitais, entre outras condições.

Quanto à hiperatividade, os resultados de 29 estudos com roedores e três estudos em humanos são claros: o BPA é similarmente prejudicial à normalidade comportamental e pode levar as crianças em desenvolvimento a sofrer anormalidades cerebrais nas quais eles têm dificuldade em se concentrar na tarefa em questão.

Os métodos utilizados para chegar a esta conclusão são corroborados pelo National Institute of Environmental Health Sciences, que tem um sistema intrincado para avaliar os méritos de estudos individuais compilados como parte de uma revisão maior.

Com base nesse sistema, os pesquisadores envolvidos foram capazes de determinar que o BPA é, de fato, um “risco à saúde humana presumido” quando se trata de hiperatividade, e que mais precisa ser feito para resolver esse problema social generalizado.

‘O risco presumido’ é apenas um degrau abaixo do ‘risco conhecido’“, afirmou a autora principal, Johanna Rochester, cientista sênior da The Endocrine Disruption Exchange, ou TEDX, uma organização sem fins lucrativos fundada por Theo Colborn, pioneira na pesquisa de desregulação endócrina.

Embora não esteja claro como o BPA estimula a hiperatividade ou o TDAH, os estudos com animais em particular que foram incluídos como parte da revisão revelam que ele altera a dopamina, um mensageiro químico que ajuda as pessoas a pensar com clareza e permanecer alertas e focadas.

…o cérebro é possivelmente um dos órgãos mais sensíveis, especificamente à exposição do BPA“, acrescentou Carol Kwiatkowski, autora sênior da revisão e diretora executiva do TEDX.

Leia mais:

Pesquisa Mostra que Mesmo os Níveis “Seguros” de Exposição ao BPA no Útero são Prejudiciais, Contribuindo para Problemas de Neurodesenvolvimento e Desenvolvimento de Gênero

[Estudo] BPA Reduz a Biodiversidade Intestinal, Tornando Bebês Suscetíveis a Inflamação Crônica e Doenças

Fontes:
– BPA may be the cause of the ADHD epidemic: Scientists link the plastics chemical to the condition
– Enviromental Health News: Scientists call BPA exposure ‘presumed health hazard’ for hyperactivity
– Natural News: The truth comes out: Even low doses of BPA can damage your reproductive health and nervous system

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Suporte nosso site
Social PopUP by SumoMe