Notícias Naturais

Um grupo que se dedica a unir as pessoas com as questões políticas urgentes que as afetam, está sendo alvo da corporação mais malvada do mundo por ousarem espalhar a verdade sobre a toxicidade do glifosato, um produto químico altamente difundido que é comumente pulverizado em culturas geneticamente modificadas (OGM).

Segundo os relatórios, a Monsanto forneceu ao grupo de campanha cívica Avaaz uma intimação de 168 páginas que exige que todas as suas correspondências internas relativas ao glifosato – mais de uma década – sejam entregues ao Supremo Tribunal de Nova York.

A intimação, que “ordena” que o Avaaz faça isso, é parte de uma caça às bruxas da Monsanto para silenciar sua oposição usando processos judiciais caros e táticas de medo. Neste caso, a Monsanto quer que o Avaaz pare de fazer campanha contra o glifosato, incluindo o esforço de 2017 para impedir a União Européia de redigir uma licença de 15 anos para o uso de glifosato na Europa.

Leia também: Argentina e a Lei Monsanto: Sementes para Quem? Sementes para Quê?

Outras campanhas do Avaaz contra o glifosato incluem outro esforço no mesmo ano para impedir a construção de uma fábrica de sementes transgênicas da Monsanto na Argentina, bem como uma campanha contínua para impedir que a Monsanto alcance seu objetivo de estabelecer uma chamada “mega-fusão” com a outra companheira gigante química, Bayer.

Leia também: Bayer Tenta Comprar a Monsanto para Criar a Maior Gigante de Transgênicos Internacional

O fundador do Avaaz, Ricken Patel, admite que o pedido é enorme, considerando que os funcionários do Avaaz gastaram uma quantidade considerável de tempo e recursos trabalhando para a proibição do glifosato. No site do grupo, Patel observou que as demandas de intimação incluem “praticamente todos os e-mails privados, documentos, notas, chats ou qualquer outra coisa que qualquer membro do Avaaz tenha escrito ou trabalhado em nossas campanhas para proibir o herbicida-chave, glifosato, da Monsanto“.

Leia também: Cientista da EPA Adverte que o Glifosato Elimina os Minerais dos Alimentos, Deixando o Corpo Deficiente em Zinco e Magnésio

A Monsanto está planejando realizar “intimidar” o público como punição por difundirem a verdade?

O que talvez seja mais perturbador é o escopo dos detalhes solicitados pela Monsanto. Por meio da linguagem abrangente contida na intimação, a Monsanto exige essencialmente que o Avaaz obtenha os detalhes privados de seus funcionários, incluindo informações de contato e outros detalhes pessoais.

Por que a Monsanto quer tudo isso ainda não tenha sido determinado. Mas, reconhecendo as formas agressivas pelas quais a mega corporação intimidou fazendeiros, grupos sem fins lucrativos e muitos outros no passado, não há como saber o que ela pode ter reservado para o Avaaz.

Até mesmo os membros do público podem estar em risco, já que os documentos internos da empresa também incluem os nomes e endereços de e-mail das pessoas que assinaram as petições do Avaaz pedindo a proibição dos produtos da Monsanto. Uma dessas petições que buscavam uma moratória sobre o uso de glifosato teria recebido mais de dois milhões de assinaturas – e a Monsanto está basicamente exigindo ter acesso às identidades desses signatários.

A intimação da Monsanto vem em resposta a um processo de ação coletiva abrangente contra a empresa em que os demandantes de todo o país estão processando em seu próprio benefício ou de seus entes queridos, a quem reivindicam que o linfoma não-Hodgkin é desenvolvido como resultado da exposição ao Roundup, o herbicida da marca Monsanto que contém o glifosato.

A Monsanto aparentemente está praticando uma retaliação contra aqueles que ajudaram a alimentar esse processo de ação coletiva, da qual o Avaaz é nomeado entre os culpados.

“Isso é grande”, afirma o Avaaz em uma de suas últimas petições. “[Monsanto] uma mega corporação de US$ 50 bilhões, é famosa por táticas legais de intimidação como esta. Eles têm recursos ilimitados. Se eles colocam suas mãos em todas as nossas informações privadas, não há como dizer elas serão usadas“.

A vice-diretora do Avaaz, Emma Ruby-Sachs, diz que não só a reivindicação é hedionda na intenção, mas também viola os direitos da Primeira Emenda do grupo e seus funcionários.

Existem milhões de pessoas em todo o mundo que têm uma profunda e genuína preocupação de que o glifosato da Monsanto está nos tornando doentes e também nosso ambiente“, diz ela. “Esse é o único motivo pelo qual nossos membros pediram aos governos que o regulem com base em ciência independente. Não vamos permitir que esse ataque judicial desacelere esse trabalho essencial nem um pouco“.

Leia mais:

[Estudo] Roundup da Monsanto é Mais Perigoso do que Achávamos

Cientista da Monsanto Admite que Conspirou com Revistas “Científicas” para Suprimir Pesquisas sobre o Glifosato e Transgênicos

Fontes:
– Natural News: Corporate retaliation: Monsanto is trying to take down civic group that warned about health risks of glyphosate herbicide
– Natural News: The complete history of Monsanto; the world’s most EVIL corporation staffed by society’s most hate-filled people
– Eco Watch: Monsanto ‘Commands’ Civic Group to Turn in All Communications Over Glyphosate

1 Comment

  • Renato Bulhoes disse:

    Cada vez que ouço alguém elogiar Barack Obama, isso me dá nos nervos. Eu lembro-me que foi um dos maiores protetores da Monsanto e também das vacinas não suficientemente testadas, assim como o senhor Gates.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Suporte nosso site
Social PopUP by SumoMe