Notícias Naturais

Todos os que estão profundamente preocupados com a proteção da saúde mental das crianças devem bater nas portas da Food and Drug Administration (FDA) para protestar contra um medicamento comumente prescrito, o qual rotineiramente causa eventos neuropsiquiátricos em crianças. Desde 2009, a FDA registrou 550 casos de alucinações de um medicamento chamado Tamiflu (oseltamivir), o qual é rotineiramente prescrito para combater a gripe. Os pais estão começando a despertar para o fato de que o Tamiflu causa danos ao sistema nervoso, é um medicamento alucinógeno que faz com que algumas crianças entrem em convulsões, delírios selvagens e ataques de espasmos.

Olhando para os estudos utilizados para aprovar o medicamento no final da década de 1990, vemos  fatores não estudados sobre a imunidade, descobertas não conclusivas, etiquetas de advertências e uma tentativa da FDA de impedir que o medicamento fosse para o mercado. Mais análises em 2007 descobriram que o Tamiflu apresenta riscos graves, especialmente em crianças, incluindo 1377 relatos de reações adversas no Japão e 80 mortes (71 diretamente ligadas ao Tamiflu).

Tamiflu foi inicialmente impedido pela FDA

Os médicos têm a impressão de que o medicamento pode impedir que o vírus da gripe se replique e invada outras células. Um artigo da JAMA de 1999 afirma que o Tamiflu “…proporcionou efeitos antivirais, bioquímicos e clínicos significativos na infecção experimental do vírus da gripe humana. A administração profilática, uma ou duas vezes por dia, protegeu totalmente contra a recuperação viral no trato respiratório superior e contra a doença do aparelho respiratório associada à infecção“. Hoffmann-LaRoche, a empresa farmacêutica que desenvolveu o medicamento, apresentou este estudo e dois ensaios clínicos adicionais para um comitê de consultores médicos da FDA em 1999. Os dados fornecidos não convenceram o comitê da FDA de que o medicamento era seguro ou eficaz.

Embora o Tamiflu seja aprovado para crianças a partir de duas semanas de idade, os estudos clínicos foram realizados em adultos jovens com idade média de 21 anos. No estudo, 105 participantes receberam Tamiflu em várias doses. A eficácia foi determinada pelos resultados dos sintomas. Apenas 33 indivíduos retransmitiram os escores de sintomas menores após a infecção da gripe nasal e a aplicação de Tamiflu. O estudo apenas mediu a quantidade de partículas de vírus nas passagens nasais dos participantes e no muco. O estudo não mediu como o medicamento impactou o resto do corpo, incluindo a replicação do vírus da gripe e a formação de agentes patogênicos resistentes aos fármacos no microbioma dos pacientes.

Esses dados de má qualidade não convenceram os especialistas médicos da FDA, mas a FDA acabou por dar a luz verde ao Tamiflu enquanto o fabricante de medicamentos emitiu a seguinte declaração na embalagem:

O Tamiflu não demonstrou ter um impacto positivo sobre as possíveis consequências (como hospitalização, mortalidade ou impacto econômico) de gripe sazonal, aviária ou pandêmica“.

Desde então, o fabricante do medicamento tentou apresentar novas conclusões para que o Tamiflu parecesse efetivo. Um estudo do New England Journal of Medicine (NEJM), intitulado “Uso do inibidor seletivo de Neuraminidase Oral Oseltamivir para Prevenir Influenza” foi escrito por Penelope Ward, que era a Chefe de Desenvolvimento Clínico de Hoffman-LaRoche. Na nota de rodapé do estudo, também descobrimos que o estudo foi financiado por subsídios da Hoffman-LaRoche.

Uma nova análise do Tamiflu de 2009, não financiada pela indústria farmacêutica e publicada em um artigo do especializado em estudos, BMJ, não encontrou evidências significativas de que o medicamento tenha reduzido os sintomas ou complicações da gripe. A meta-análise mostrou até mesmo que o Tamiflu provoca náuseas.

Tamiflu suprime o sistema nervoso central, provoca delírios e impulsos suicidas em crianças

O Tamiflu não é apenas ineficaz, mas também é perigoso. Nos seis anos em que o medicamento foi vendido no Japão, houve 1377 relatórios de reações adversas, incluindo delírio, convulsão e encefalite. Dois adolescentes de 14 anos de idade experienciaram efeitos colaterais tão hediondos do Tamiflu que eles cometeram suicídio. Setenta e uma outras mortes foram diretamente relacionadas ao Tamiflu. Um estudo japonês de 2011 encontrou um aumento de 600% na deterioração e morte dentro de doze horas após a administração do Tamiflu. As autoridades japonesas alertam contra o uso de Tamiflu.

Nos EUA, onde a segurança pediátrica não é levada a sério, as crianças estão passando por convulsões e agindo violentamente depois de tomar o Tamiflu. Uma família no Texas informou que seu filho de dois anos experienciou convulsões e contrações depois de tomar Tamiflu; as convulsões  pararam somente quando deixaram de dar-lhe o medicamento. Um jovem de seis anos da Carolina do Norte morreu por um efeito colateral do Tamiflu (dificuldade respiratória) três dias depois de receber o medicamento. Uma família de Indiana informou que sua filha começou a ouvir vozes e tentou saltar por uma janela enquanto ainda estava tomando o Tamiflu.

Quando os americanos tomarão uma posição contra o destrutivo medicamento que está prejudicando a saúde mental de nossos filhos?

Leia mais:

Efeitos Adversos? Garoto de 16 Anos Comete Suicídio Depois de Tomar Tamiflu

Mais Jovens Sofreram Alucinações e Danos após Tomar Tamiflu – Por que a FDA não Recolhe Este Medicamento Perigoso?

Tamiflu: Governo Japonês Pede que os Pacientes Fiquem Trancados em Seus Quartos após Tomar Medicamentos Antivirais

Fontes:
– Natural News: Tamiflu is not safe OR effective
– GreenMedInfo: Tamiflu and Abnormal Behavior
– Natural News: More young people being seriously afflicted with hallucinations and self-abuse after taking TAMIFLU … why won’t the FDA recall the dangerous drug?
– NCBI: Fifty sudden deaths may be related to central suppression

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Suporte nosso site
Social PopUP by SumoMe