Notícias Naturais
Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someone

Um recente estudo publicado na revista Vaccine mostrou que há uma “forte associação” entre as repetidas vacinas da gripe sazonal e abortos espontâneos. Para qualquer pessoa cética de vacinas, essa descoberta, embora triste, não é exatamente surpreendente. Por que não vacinar uma mulher grávida com um coquetel tóxico de vírus, adjuvantes e mercúrio que causam aborto espontâneo?

A vacina contra a gripe é uma das únicas vacinas que ainda contém o timerosal, um composto que enfrentou (e merecia) uma enorme quantidade de escrutínio pelo fato de que é aproximadamente 50% de mercúrio por peso. Em média, uma vacina contra a gripe pode conter até 25 microgramas de mercúrio – uma quantidade que pode ser prejudicial para uma criança, ainda mais para um feto em desenvolvimento. Como o site Trace Amount explica, uma criança precisaria pesar cerca de 250 quilos para a quantidade de mercúrio presente em uma vacina contra a gripe para estar segura.

Leia também: A Toxicidade do Alumínio Presente em Vacinas

No geral, realmente não deveria surpreender que as mulheres grávidas que recebem a vacina contra a gripe – especialmente aquelas que aparentemente recebem em todas as temporadas – poderiam estar com maior risco de ter um aborto espontâneo. E mesmo que um estudo recente tenha descoberto que essa correlação parece existir, os cientistas que estão por trás do estudo não faltaram com desculpas para sustentar a recomendação atual de que as mulheres grávidas deveriam ser inoculadas de qualquer maneira. Como era de esperar, a pesquisa condenatória foi financiada pelos Centros de Controle de Doenças (CDC) – e agora, eles estão tentando rever as descobertas.

Leia também: Evidência Esmagadora: Como as Vacinas Causam Hipersensibilidade do Sistema Imunológico e Causam Alergias Extremas, Autismo e Morte

O estudo foi um estudo controlado por casos que ocorreram durante duas temporadas da gripe. Como explicam as fontes, “485 mulheres que sofreram aborto ou aborto espontâneo foram acompanhadas com aquelas que chegaram ao final da gravidez ou natimortos“. O autor principal James Donahue, um epidemiologista sênior da Marshfield Clinic em Wisconsin, e sua equipe queriam determinar se as mulheres eram mais propensas a ter abortos espontâneos nos primeiros 28 dias após a vacinação. Eles relataram que, embora não houvesse associação significativa, mesmo se uma mulher não recebeu uma vacina no ano anterior – o que eles encontraram em mulheres que repetidamente foram vacinadas em cada estação foi chocante, especialmente para os pesquisadores.

Leia também: Por que o CDC e a ANVISA Recomendam às Mulheres Grávidas Vacinas contra a Gripe com Mercúrio?

As mulheres que consecutivamente receberam as vacinas contra a gripe em cada estação foram duas vezes mais propensas a ter um aborto espontâneo – uma associação sem dúvida preocupante.

Falando sobre as descobertas, Donahue afirma que não há “base biológica” para sua descoberta chocante de que as mulheres que receberam a vacina contra a gripe eram duas vezes mais propensas a ter um aborto espontâneo. Embora você pense que um homem com os numerosos títulos como Donahue possui, tivesse uma percepção passageira de quão perigoso o mercúrio (e o timerosal) pode ser no corpo humano (ainda mais para um feto em desenvolvimento), aparentemente você estaria errado. Parece que a abordagem dogmática da indústria farmacêutica para as operações do timerosal é tão forte na comunidade científica comum, que até mesmo o senso comum sobre os compostos tóxicos conhecidos os escapa.

Leia também: Vacina contra a Gripe foi Praticamente Inútil para Pessoas de 65 Anos ou Mais no Inverno Passado: Aqui o que Você Pode Fazer em Substituição

Outros cientistas que forçam as vacinas apontaram para outros detalhes, como o fato de que muitos abortos espontâneos passam despercebidos e, portanto, não são relatados, como potenciais “problemas” em relação às descobertas. No entanto, esse argumento não aborda o fato de que havia dois grupos no estudo, e apenas aquelas que receberam a vacina contra a gripe repetidamente mostraram um aumento no risco de perda da gravidez. Os cientistas também sugeriram que era possível que as mulheres que procurassem cuidados em relação aos abortos espontâneos fossem apenas mais propensas a ser também vacinadas e afirmam que isso também poderia ter produzido um viés dentro do estudo.

Em última análise, mesmo à luz desta pesquisa assustadora, nenhuma mudança nas políticas atuais em relação à vacinação de mulheres grávidas será feita – ou mesmo considerada. Que tipo de farsa é essa? Embora seja óbvio que a ciência é muitas vezes contraditória, as mulheres gravidas parecem ser instruídas a exercer cautela em praticamente todos os outros aspectos de suas vidas, exceto para as vacinas. Que tipo de hipocrisia é essa?

Leia mais:

Estudo sobre a Vacina contra Gripe e Mulheres Grávidas PROVA que as Vacinas Enfraquecem a Imunidade

Vacina contra Gripe Suína Provoca Casos de Narcolepsia Grave Permanente

Fontes:
– Natural News: Vaccine cultists try to explain away newly discovered link between flu shots and spontaneous abortions
– Cidrap: Study signals association between flu vaccine, miscarriage
– Trace Amounts: “Ten Lies” Told About Mercury in Vaccines
– The Washington Post: What to know about a study of flu vaccine and miscarriage

Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someone

Posts relacionados:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Suporte nosso site
Social PopUP by SumoMe