Notícias Naturais
Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someone

Perigo do Fluor na Água

Um estudo publicado na revista Environmental Health reforça o que muitas pessoas já sabem há muito tempo: o aumento dos níveis de flúor na água potável é prejudicial à saúde. Enquanto as suas conclusões são preocupantes, o estudo é uma boa notícia para nós que temos ouvido vez após outra que o flúor é seguro, pois nos arma com ainda mais evidência dos danos causados ​​por este produto químico.

Intitulado “A exposição à água fluoretada e a prevalência do distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade entre crianças e adolescentes nos Estados Unidos: uma associação ecológica”, o estudo observou que “um aumento de 1% na prevalência fluoretação artificial em 1992 foi associada com cerca de 67.000 a 131.000 diagnósticos adicionais de TDAH, de 2003 a 2011 “. (1)

Prova de que problemas neurológicos infantis estão ligados ao flúor na água potável

É isso mesmo, foi descoberto que um mero aumento de 1% nos níveis de flúor da água potável pode causar casos de TDAH em até centenas de milhares. Igualmente importante é o fato de o estudo remonta a fluoretação em 1992, que mostra que os efeitos prejudiciais existem cerca de 20 anos mais tarde. Isso prova que o uso contínuo de um produto químico, mesmo em tempo de apenas um ano, pode fazer com que este permaneça no corpo por anos. Por isso, é vital a importância de considerar os potenciais futuros inconvenientes de saúde, em vez de saltar no vagão do auto-interesse, como muitas pessoas do movimento pró-fluoretação fazem.

O estudo analisou informações relativas à crianças entre 4 e 17 anos de idade, que foram recolhidas ao longo de vários anos a partir da Pesquisa Nacional de Saúde da Criança. A prevalência de fluoretação da água pública também foi recolhida, com base em informações dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC). (1)

“Os pais relataram taxas mais altas de TDAH medicamente diagnosticada em seus filhos em estados em que uma maior proporção de pessoas recebem água fluoretada do abastecimento público de água”, conclui o estudo. O objetivo era o de aprofundar os “estudos epidemiológicos e baseados em animais que têm sugerido que a exposição pré-natal e pós-natal ao fluoreto tem efeitos adversos sobre o desenvolvimento neurológico.” (1)

Os especialistas em saúde sugerem a redução da quantidade de flúor na água de beber, mas não é pelas razões certa

Curiosamente, cerca de dois meses após este estudo ter sido publicado, o Departamento de Saúde e Serviços Humanos anunciou que a quantidade de flúor na água potável seria reduzida para cerca de metade da faixa atualmente recomendada de 0,7 a 1,2 miligramas. É a primeira vez desde a década de 1960 que as autoridades de saúde federais têm sugerido tal mudança; eles agora dizem que exatamente 0,7 miligramas, em vez da faixa mais ampla, devem ser postas em prática. (2)

Nota: No Brasil o nível considerado “ótimo” é de 0,7 a 1,0 ppm.

Parece bom, não é? A recomendação, sim. A razão para isso, não.

Infelizmente, eles não estão fazendo isso porque eles foram motivados pelo estudo publicado em Saúde Ambiental. Infelizmente, um grupo que tem “saúde” como parte de seu nome ignora a real razão, dizendo que o aumento do acesso a fluoretos (cremes dentais, enxaguatórios bucais, etc.) está levando á fluorose, que cria pequenas manchas brancas de dentes das pessoas.

Desta notícia para reduzir fluoretos na água potável, Barbara Gooch, um dentista com o CDC, disse: “O único risco documentado de fluoretação da água é fluorose, e é principalmente um risco de cosméticos.” Ela acrescentou que a fluorose, pelo menos na forma mais branda, “não é um risco para a saúde.” (2)

Enquanto isso, de acordo com a mesma organização, o CDC, “a percentagem de crianças com um diagnóstico de TDAH continua a aumentar, a partir de 7,8% em 2003 para 9,5% em 2007 e para 11,0% em 2011” (3)

Não seria hora, especialmente quando estudo após estudo vem mostrando os efeitos nocivos do flúor na água potável – de problemas neurológicos como TDAH até hipotireoidismo – das pessoas verem o problema como ele é, em vez de agarrar a qualquer desculpa para diminuir o gravidade do problema?

Participe da discussão no Fórum Notícias Naturais.

Fontes:
[Estudo] Exposure to fluoridated water and attention deficit hyperactivity disorder prevalence among children and adolescents in the United States: an ecological association
Natural News: Increasing fluoride levels in drinking water by just 1% can cause 131,000 ADHD cases, study shows

Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someone

Posts relacionados:

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Suporte nosso site
Social PopUP by SumoMe