Notícias Naturais

Manteiga Fora de Perigo - Gorduras Trans Ligadas à Doenças Cardíacas e MorteDepois de décadas como uma fuga dos ignorantes e algumas vezes corruptos burocratas, as gorduras saturadas podem regressar dos mortos. Um novo estudo aponta as gorduras trans como a verdadeira culpada da doença cardíaca.

Durante décadas fomos informados para cortar a manteiga, ovos, carne e queijo para o bem dos nossos corações. Mas uma nova revisão sistemática da ciência prova que não há risco cardiovascular adicional por comer gorduras saturadas.

Os pesquisadores da Universidade de McMaster analisaram os resultados de 50 estudos observacionais que avaliaram a associação entre as doenças cardíacas e as gorduras saturadas ou gorduras trans.

Os resultados publicados no British Medical Journal (BMJ) não encontraram nenhuma associação clara entre a alta ingestão de gorduras saturadas e a mortalidade por qualquer causa, doença arterial coronariana (DAC), a mortalidade da DAC, acidente vascular cerebral isquêmico, ou diabetes tipo 2 entre adultos saudáveis. [i]

Mas os resultados contaram uma história diferente sobre as gorduras trans. As gorduras insaturadas são principalmente produzidas industrialmente por hidrogenação de óleos vegetais. Elas são utilizadas em margarinas, salgadinhos e pães industrializados.

Leia também: Você Sabe Como é Fabricada a Margarina?

Todas as gorduras trans foram associadas a um aumento de 34 por cento em mortes independentemente da razão, um aumento de 21 por cento do risco de DAC, e um aumento de 28 por cento no risco de mortalidade por doença arterial coronariana (DAC).

Quando os pesquisadores analisaram as gorduras trans industriais (diferentemente das gorduras trans naturais) o risco de aumento de doença coronária aumentou para 42 por cento.

Além disso, eles ligaram um aumento de 2 por cento em calorias provenientes das gorduras trans com 25 por cento maior risco de DAC e 31 por cento de aumento da mortalidade por doença arterial coronariana (DAC).

Eles também observaram que os estudos prospectivos de coorte anteriores relataram que a substituição de gorduras saturadas por 2% de calorias provenientes de gorduras trans iria reduzir o risco cardiovascular em 17 por cento. Substituir as gorduras monoinsaturadas reduziu o risco em 21 por cento e substituir a gordura poli-insaturada reduziu o risco em 24 por cento. [ii]

Mas as gorduras trans naturais ruminantes (ácido trans-palmitoleico) não têm os mesmos riscos. Na verdade, elas foram inversamente associadas à diabetes tipo 2. Outros estudos mostram que esta gordura trans saudável reduz o risco de diabetes.

O ácido palmitoleico, ou trans-palmitoleato, é encontrado quase exclusivamente em gorduras trans lácteas naturais e carnes. Ao contrário da gordura trans industrial encontrada nos óleos vegetais hidrogenados, ela não tem sido associada a um alto risco de doença cardíaca. Ela também tem propriedades anti-microbianas e é um composto essencial na comunicação celular.

A ideia de que a mania de baixo teor de gordura é baseada em pensamento falho não é nova. Esta meta-análise de estudos observacionais prospectivos confirmaram os achados de cinco revisões sistemáticas anteriores sobre as gorduras saturadas e trans e a DAC. Ainda assim, alguns nutricionistas tradicionais recomendam qualquer coisa com laticínios de baixo teor de gordura e a proibição da manteiga.

Os pesquisadores observaram que a deles é a sétima revisão sistemática e meta-análise de estudos observacionais de gorduras saturadas e/ou trans e os efeitos sobre a saúde dos últimos 10 anos. Eles enfatizaram que seus resultados são baseados em estudos observacionais, portanto, não é possível tirar conclusões sobre causa e efeito.

As gorduras saturadas contribuem atualmente com cerca de 10% de calorias da dieta norte-americana. As principais fontes são produtos de origem animal, como a manteiga, leite de vaca, carne, salmão, e gemas de ovos, e alguns produtos vegetais, como chocolate e manteiga de cacau, coco e óleos de semente de palma.

Os pesquisadores não aconselham comer mais gorduras saturadas com base em seus resultados. Eles não encontraram nenhuma evidência de que comer mais de 10 por cento de gorduras saturadas teria benefícios adicionais à saúde.

Na verdade, eles notaram que uma revisão de estudos randomizados do Cochrane Library sobre a redução das gorduras saturadas encontrou 17% menor risco de morte cardiovascular com uma menor ingestão de gordura saturada. [iii]

Eles também sugeriram que um dos maiores problemas com o aconselhamento da dieta de baixa gordura é a reposição de calorias. Se você diminuir as calorias provenientes de gordura, quais tipos de calorias aumentar?

Os estudos sugerem que a substituição de gorduras saturadas por carboidratos processados de alto índice glicêmico aumenta o risco de doenças cardiovasculares. Mas substituir a gordura por carboidratos de baixo índice glicêmico, como as versões integrais de frutas, verduras, legumes e grãos diminui o risco. [iv]

Os autores expressaram preocupação sobre as orientações dietéticas agora sob a consideração da USDA. Atualmente, as diretrizes recomendam limitar as gorduras saturadas para menos de 10 por cento de calorias para a maioria dos americanos. E a gordura total está limitada a 35% das calorias diárias. Isso pode mudar este ano.

Leia também: Os Benefícios da Ghee, a Manteiga Clarificada

O Dietary Guidelines for Americans Committee (DGAC) é um grupo de cientistas independentes convocadas pelo governo federal para rever a literatura científica e médica atual sobre a nutrição. Em fevereiro de 2015, eles publicaram um relatório técnico que não propôs quaisquer restrições ao consumo de gorduras totais.

Outros cientistas recentemente solicitaram que a USDA adote a mesma posição e diminua todos os limites sobre as recomendações de gordura.

Em um parecer publicado no Journal of the American Medical Association [v], Dariush Mozaffarian, MD, Dr.PH, reitor da Escola Friedman, disse:

Colocar limites sobre a ingestão total de gordura não tem base na ciência e leva a todos os tipos de decisões erradas da indústria e dos consumidores. A evidência moderna mostra claramente que comer mais alimentos ricos em gorduras saudáveis, como nozes, óleos vegetais e peixes têm efeitos protetores, particularmente sobre a doença cardiovascular. Outros alimentos ricos em gordura, como leite e queijo, parecem bastante neutros; enquanto muitos alimentos de baixo teor de gordura, como frios com pouca gordura, molho de salada sem gordura, e chips de batata cozida, não são melhores e muitas vezes são ainda piores do que as alternativas cheias de gordura. É o alimento que importa, não o seu conteúdo de gordura.

Seu co-autor David Ludwig, MD, Ph.D., diretor do New Balance Foundation Obesity Prevention Center, no Hospital Infantil de Boston, observou que os resultados absurdos fomentam as diretrizes. Por exemplo, ele aponta que o programa Merenda Escolar Nacional proibiu recentemente o leite integral, embora mantenha o leite desnatado adoçado com açúcar nos menus da lanchonete.

O que fazer? Pare de se preocupar com a gordura. Em vez disso, evite o açúcar e alimentos processados que tentam manipular os níveis de gordura, proteína e carboidratos.

Mantenha uma dieta de alimentos integrais com vegetais frescos, frutas, nozes, sementes, lácteos integrais, carne e ovos de pastoreio, e todos os pescados.

Participe da discussão no Fórum Notícias Naturais.

Referências:

[i] Russell J deSouza et al. “Intake of saturated and trans unsaturated fatty acids and risk of all cause mortality, cardiovascular disease, and type 2 diabetes: systematic review and meta-analysis of observational studies.” BMJ 2015; 351:h3978 doi: http://dx.doi.org/10.1136/bmj.h3978 (Published 12 August 2015)

[ii] Mozaffarian D, Clarke R. “Quantitative effects on cardiovascular risk factors and coronary heart disease risk of replacing partially hydrogenated vegetable oils with other fats and oils.” Eur J Clin Nutr 2009;63:S22-S33.

[iii] Hooper L, Martin N, Abdelhamid A, Davey Smith G. “Reduction in saturated fat intake for cardiovascular disease.” Cochrane Database Syst Rev2015;6:CD011737.

[iv] Jakobsen MU, Dethlefsen C, Joensen AM, et al. “Intake of carbohydrates compared with intake of saturated fatty acids and risk of myocardial infarction: importance of the glycemic index.” Am J Clin Nutr 2010;91:1764-8.

[v] Dariush Mozaffarian, MD, DrPH; David S. Ludwig, MD, PhD. “The 2015 US Dietary Guidelines-Lifting the Ban on Total Dietary Fat.” JAMA, June 2015 DOI: 10.1001/jama.2015.5941

Leia mais:

margarina

 

Margarina – Uma Péssima Opção

 

 

 

Quais Alimentos para o Café da Manhã são os Mais Saudáveis

 

Quais Alimentos para o Café da Manhã são os Mais Saudáveis?

 

 

 

Fontes:
– Green MedInfo: Butter’s Off The Hook – Trans Fats Linked to Heart Disease and Death
[Estudo] Intake of saturated and trans unsaturated fatty acids and risk of all cause mortality, cardiovascular disease, and type 2 diabetes: systematic review and meta-analysis of observational studies

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Suporte nosso site
Social PopUP by SumoMe