Notícias Naturais
Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someone

Prozac Pode estar Prejudicando a Reprodução de Aves de Acordo um Novo EstudoEstorninhos que foram alimentados com mesmos níveis de antidepressivo encontrado em vermes do esgoto sofreram perda da libido e do apetite

O aumento do consumo de medicamentos antidepressivos pode estar ajudando os humanos[sera?], mas prejudicando a saúde da população de aves, de acordo com um novo estudo.

Um especialista que analisou os efeitos da ingestão passiva de Prozac em estorninhos diz que eles mudaram não apenas os seus hábitos alimentares, mas também o seu interesse em acasalar.

A Dra. Kathryn Arnold, uma ecologista da Universidade de York, disse: “As fêmeas que estavam em período de acasalamento não estavam interessadas ​​nos pássaros machos que apresentamos à elas. Elas se sentaram no meio da gaiola, não estavam interessadas em nada.”

A pesquisa de Arnold, a qual é investigada no programa Autumnwatch da BBC2, a levou para as obras do esgoto onde as aves migram para se alimentar.

Elas são realmente um ótimo lugar para se observar os pássaros, porque eles são atraídos por todos os vermes e invertebrados que vivem lá“, disse à Radio Times.

Comecei a pensar: ‘O que dizer sobre o que há no esgoto?’ Se você ou eu tomo um comprimido para dor de cabeça, por exemplo, uma alta proporção dele acaba sendo excretada sem qualquer alteração“.

Ela mediu o nível de Prozac presente em minhocas que vivem no esgoto. Ele foi pequeno, cerca de 3 à 5% da dosagem média humana.

Ela, então, alimentou vermes contendo a mesma concentração da droga a 24 estorninhos cativas e monitorizou os seus comportamentos ao longo de seis meses.

Os pássaros começaram a apresentar efeitos colaterais semelhantes aos relatados por humanos prescritos com Prozac.

A maior descoberta foi uma perda de apetite. Em comparação com as aves de controle que não tinham recebido qualquer Prozac, comeram muito menos e beliscaram ao longo do dia. O problema, então, é que elas são menos propensas a sobreviver longas noites de inverno escuras“.

Não foi apenas o alimento que perdeu seu apelo – a libido das aves também caiu.

No entanto, em uma área significativa, a reação dos estorninhos ao fármaco não imitiu o seu efeito conforme no cérebro humano – seu humor permaneceu inalterado.

Arnold disse: “Os antidepressivos reduzem a ansiedade em seres humanos, mas não podemos perguntar a um pássaro se ele está ansioso; temos que medi-la de uma forma comportamental. Nós os apresentamos com um objeto desconhecido e vemos como eles reagem. Se um pássaro é corajoso, ele vai continuar a alimentação, mesmo que tenha algo estranho em sua tigela de comida. Mas não encontramos efeito sobre a coragem,  que é o que nós esperávamos.

Talvez nós o estávamos medindo a maneira errada e que não era uma tarefa particularmente estressante. Se repetido isso, usaríamos um método diferente ou outro objeto novo. Ou pode ser que existam variações suficientes entre aves e cérebros humanos que o Prozac funcione de uma maneira um pouco diferente“.

O apresentador do programa Autumnwatch, Chris Packham, disse que pode haver uma resposta simples. Ele disse: “Essa mudança de comportamento poderia impactar negativamente sobre sua ecologia. Sabemos, por exemplo, que nós perdemos 50 milhões de estorninhos no Reino Unido desde 1960.

Os produtos farmacêuticos poderiam desempenhar um papel. A próxima etapa do trabalho é observar os estorninhos selvagens para verificar se eles também têm resíduos químicos em seus corpos“.

Arnold disse que ela não estava atacando os antidepressivos ou a indústria de eliminação de resíduos. “Eu não estou dizendo que se você está deprimido, não tome Prozac. A obras de tratamento de esgoto são realmente boas fontes de alimento para as aves. Nós certamente não estamos dizendo que devem ser avaliados.

A ciência precisa fornecer melhores estimativas dos riscos ambientais apresentados pelos produtos farmacêuticos. Os efeitos que medimos até agora são bastante sutis.

Estas não são grandes extinções, mas elas poderiam ter um impacto negativo sobre a vida selvagem. Precisamos descobrir se elas estão se extinguindo. Isso vai piorar, por isso precisamos obter um controle sobre isso“.

Arnold publicou recentemente uma edição especial da revista The Journal Philosophical Transactions, da Royal Society B sobre o efeito da contaminação farmacêutica sobre a vida selvagem.

Leia mais:

Estudo E se Tudo que Sabemos sobre Tratamento para Depressão Estiver Errado

 

[Estudo] E se Tudo que Sabemos sobre Tratamento para Depressão Estiver Errado?

 

 

 

 

antidepressivos

 

Explode o Uso de Antidepressivos nos Países Desenvolvidos (e também no Brasil)

 

 

 

 

Fontes:
The Guardian: Prozac may be harming bird populations, study suggests
– [ESTUDO] he Royal Society B: Behavioural and physiological responses of birds to environmentally relevant concentrations of an antidepressant

Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someone

Posts relacionados:

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Suporte nosso site
Social PopUP by SumoMe