Notícias Naturais

Justiça do RS Manda Grávida Fazer Cesariana contra sua VontadeManifestações contra a violência obstétrica pipocaram nesta sexta-feira (11) em várias cidades do Brasil em repúdio ao caso de Adelir Góes, uma mulher grávida que foi obrigada pela Justiça a fazer uma cesariana em Torres (RS).

Na convocatória do evento #SomosTodasAdelir, a manifestação estava prevista em mais de 30 cidades. Até o momento, não foi divulgado o número de participantes, mas, pelas redes sociais, pequenos grupos se reuniram com cartazes e espalharam panfletos em várias cidades. Veja algumas fotos:

 

Em São Paulo, a manifestação continua até sábado de manhã, quando será feita uma marcha até o Ministério Público Estadual. Fora do Brasil, manifestações em embaixadas brasileiras em várias partes do mundo devem divulgar a petição por justiça no caso Adelir.

O texto da convocatória expressa a importância da realização de um debate sobre direitos humanos. “O caso de Adelir Góes, ocorrido em Torres/RS, abre um perigoso precedente que afeta direta ou indiretamente todxs que militam por causas ligadas aos Direitos Humanos, Direitos das Mulheres, Direitos Sexuais e Reprodutivos, Direitos das Minorias (Adelir, seu marido e família são ciganos e argumentos discriminatórios têm surgido sistematicamente nos debates sobre o caso), bem como contra toda e qualquer forma de violência contra as mulheres, incluindo aquela praticada pelo poder público e seus agentes“, diz o texto.

O debate é particularmente importante para todxs que têm se debruçado sobre o “Estatuto do Nascituro” e suas potenciais consequências sombrias. Não se trata de um debate sobre parto normal ou cesárea! Trata-se de uma violação aos direitos humanos, particularmente ao direito à integridade pessoal, liberdade pessoal, proteção da honra e da dignidade. Trata-se de uma violação aos direitos reprodutivos”, diz o texto da convocatória. Assista ao vídeo de divulgação do manifesto:

Justiça do RS manda grávida fazer cesariana contra sua vontade

Numa medida extrema e possivelmente inédita no país, a Justiça do Rio Grande do Sul determinou que uma mulher grávida de 42 semanas fosse submetida a uma cesariana contra a sua vontade, por considerar que mãe e bebê corriam risco de morte.

O caso aconteceu anteontem em Torres (193 km de Porto Alegre). Após deixar o hospital Nossa Senhora dos Navegantes, contrariando orientação médica, Adelir Carmem Lemos de Goes, 29, foi levada de casa por policiais militares e conduzida à unidade, onde deu à luz uma menina.

A polêmica começou quando a gestante procurou o hospital com dores lombares e no ventre. A médica Andreia Castro examinou a mulher e determinou que ela fosse submetida a uma cesariana, alegando que o bebê estava sentado -o que poderia, segundo a médica, asfixiá-lo durante um parto normal.

Além disso, a médica também argumentou que Adelir já havia feito duas cesarianas anteriormente e que, por essa razão, seu útero poderia se romper no procedimento.

Decidida a fazer o parto normal, a gestante se recusou a ficar no hospital. Alegou que ainda não estava em estágio avançado do trabalho de parto e, após assinar um termo de responsabilidade, voltou para casa.

Adelir de Goes, 29, em fotografia publicada em rede social

A médica, então, decidiu procurar o Ministério Público, que acionou a Justiça. A juíza Liniane Maria Mog da Silva aceitou os argumentos médicos e determinou que a gestante fosse levada para o hospital, com o apoio da polícia, caso fosse necessário.

Stephany Hendz, que é doula (mulher que acompanha e dá suporte a grávidas) de Adelir, diz que durante os exames preliminares foi constatado que o bebê estava saudável e com batimentos cardíacos dentro dos padrões.

A ideia era ir mais tarde ao hospital para que ela realmente conseguisse ter um parto normal como queria nas outras gestações. Nas outras vezes, ela foi impedida pois a gestação passou de 40 semanas“, afirmou Stephany. Uma gestação completa dura entre 37 a 42 semanas.

No momento em que ela foi examinada, falaram também que o bebê estava pélvico [sentado]. Fizeram um ultrassom, mas não mostraram que o bebê estava realmente sentado“, disse a doula.

O pai da criança, o técnico de manutenção Emerson Guimarães, 41, diz que nenhum exame mostrou o bebê virado. “Acho que inventaram só para obrigá-la a ter a cesárea”, diz Guimarães.

Stephany conta que a gestante parou de fazer o acompanhamento pré-natal (com 39 semanas de gestação) no posto de saúde com medo de ser induzida a uma cesárea.

O marido afirma que ela estava em trabalho de parto em casa, por volta das 1h30 de ontem, quando um oficial de Justiça bateu na porta da casa da família com a presença de policiais e uma ambulância determinando que ela fosse levada ao hospital.

Ficamos sem ter como fugir, infelizmente foi uma solução forçada“, lamenta o marido de Adelir.

Em nota, o hospital nega que tenha induzido a cesariana. Diz que o acionamento da Promotoria se deu porque mãe e filha corriam “risco iminente de morte“.

O bebê nasceu às 3h10 de ontem, com 3,65 kg e 49 centímetros. A mãe e a recém-nascida devem ter alta hoje.

Leia mais:

 

Normal ou Cesárea? Conheça Riscos, Mitos e Benefícios de Cada Tipo de Parto

 

Fontes:
– Brasil Post: #SomosTodasAdelir: mulheres protestam contra violência obstétrica em 30 cidades
– Folha de São Paulo: Justiça do RS manda grávida fazer cesariana contra sua vontade

1 Trackback or Pingback

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Suporte nosso site
Social PopUP by SumoMe