Notícias Naturais

Chá de Semente de SucupiraVeja neste post todos os benefícios e propriedades do Chá de Semente de Sucupira, incluindo estudos da Unicamp que demonstram suas características anti-cancerígenas.

A sucupira é uma popular planta medicinal também conhecida como sucupira-branca, sucupira-lisa, faveiro, fava-de-sucupira, fava-de-Santo-Inácio, sapupira, supupira-do-campo, sebepira, sebipira, cutiúba, macanaíba e paracarana.

Benefícios e propriedades do chá de semente de sucupira

A sucupira possui ação anticancerígena, além de ser um ótimo tônico. O chá das sementes da sucupira é utilizado no combate ao excesso de ácido úrico do corpo, amigdalite, artrite, asma, blenorragia, cistos ovarianos e no útero, debilidade orgânica, dermatoses, diabetes, dor de garganta, dores espasmódicas, feridas, hemorragias, inflamações, reumatismo, sífilis e vermes. O óleo volátil retirado da casca e das sementes, além de ser aromático, é muito utilizado no tratamento de reumatismo.
Os tubérculos ou nódulos da raiz de sucupira, também conhecidos como batatas-de-sucupira, são utilizados no controle do diabetes. Um estudo publicado também concluiu que os óleos essenciais das sementes de sucupira são úteis no combate de tumores de próstata.Estudos comprovaram que as sementes de sucupira da espécie Pterodon emarginatus possuem flavonoides, cumarinas, saponinas, triterpenos, esteroides e óleo essencial. O óleo da semente de sucupira possui beta-cariofileno, substância química com atividade anti-inflamatória, antibiótica, antioxidante, anti-carcinogênica e anestésica, o que comprova as propriedades medicinais da sucupira.

Como fazer o chá de semente de sucupira

Para fazer o chá da semente de sucupira, deve-se partir as as sementes em cerca de quatro pedaços. Após ferver um litro de água por cerca de dez minutos, cinco sementes de sucupira devem ser mergulhadas por um minuto na água quente. Deixar as sementes fervendo por cerca de dois minutos fortalecerá o chá, o que o tornará recomendado para casos de dores persistentes. Após ferver as sementes com a água, o chá medicinal deve ser esfriado e conservado na geladeira para consumo nos duas subsequentes. Outra forma de preparar o chá consiste em ferver por cerca de 10 minutos em cerca de um litro de água alguns pedaços da semente ou casca.

O chá deve ser tomado com intervalos de algumas horas, intercalados com o consumo de água. A recomendação é de que o chá seja tomado preferencialmente fresco. O chá pode ser utilizado no tratamento de dores, vez que possui efeito analgésico e anti-inflamatório.

A tintura e o extrato de sucupira

A tintura de sucupira é preparada através de seus frutos e usada na forma diluída, em mínimas quantidades, de 3 a 5 vezes ao dia. O extrato é normalmente vendido em cápsulas. O uso é indicado principalmente para casos de dor de garganta. O extrato também é utilizado para o tratamento de artrite, artrose, gota e reumatismo, além de aliviar dores nas costas e joelhos.

Contraindicações e efeitos colaterais da sucupira

A sucupira é considerada muito segura para o consumo e não possui contraindicações. No entanto, algumas pessoas recomendam que o chá de sucupira seja consumido por até quinze dias consecutivos, retomando seu uso após descansar por outros quinze dias, para que ocorra um equilíbrio no sistema endócrino. No entanto, não há suficientes estudos publicados correlacionados aos efeitos colaterais da sucupira. Também não foi encontrada nenhuma contraindicação quanto ao uso contínuo do extrato ou da tintura de sucupira.

Curiosidades

sucupira.jpg (300×225)

Sucupira – Pterodon pubescens

A sucupira (Pterodon emarginatus) é uma árvore rústica com floração azulada, ocorre no cerrado e na faixa de transição para a Mata Atlântica, nos Estados de Minas Gerais, Mato Grosso, Tocantins, São Paulo, Goiás e Mato Grosso do Sul. É uma árvore de porte médio. Sempre foi muito utilizada por tribos indígenas brasileiras, como é o caso da tribo Pataxós, incidente na região onde ocorre a sucupira. Sua madeira é nobre e usada como matéria-prima na fabricação de pisos e móveis. O fruto só possui uma semente.

A sucupira de nome popular inclui espécies de outras cinco famílias botânicas diferentes, que apesar de terem morfologias semelhantes, possuem frutos diferentes. As espécies mais conhecidas são Pterodon pubescens Benth e Pterodon emarginatus. Também inclui a Pterodon polygalaeflorus, Bowdichia nitida, Bowdichia virgilioides (sucupira-preta).

Deixo abaixo ainda uma matéria do Jornal da Unicamp sobre as pesquisas que confirmam as propriedades curativas da sucupira:

Pesquisas do CPQBA confirmam propriedades curativas da sucupira

http://www.unicamp.br/unicamp/unicamp_hoje/ju/novembro2008/images/img-ju415_04.jpgSubstância extraída da planta mostra-se eficaz no combate a células cancerígenas em estudos in vitro

Inteirar-se dos trabalhos desenvolvidos no Centro Pluridisciplinar de Pesquisas Químicas, Biológicas e Agrícolas (CPQBA) da Unicamp é sempre muito es­timulante. Pelas suas características, o Centro situa-se entre a academia e a produção industrial e agrícola, desenvolvendo produtos mais elaborados, escoimados de dificuldades que teriam que ser enfrentadas pelos sistemas de produção. Para atingir tais objetivos, conta com um grupo de pesquisadores com as mais variadas características e capacidades, o que lhe confere caráter interdisciplinar e conseqüentemente uma diversificada infra-estrutura. Essas circunstâncias permitem ao Centro agregar valor aos objetos de suas pesquisas, facilitando sobremaneira a aplicabilidade dos resultados obtidos.

Esta visão geral permeia o desenvolvimento da linha de pesquisa “Produtos naturais bioativos”, coordenada por Mary Ann Foglio, que procura identificar substâncias com potencial medicamentoso. Química especialista em fitoquímica, que estuda os componentes químicos das plantas, o seu trabalho envolve a preparação dos extratos; a identificação das substâncias bioativas neles contidos; a elucidação de suas estruturas; a determinação de métodos para transformá-las com o objetivo de potencializar efeitos e diminuir toxidades; o desenvolvimento de metodologias de controle de qualidade; a validação de metodologias utilizadas; e a formação de recursos humanos para o desenvolvimento de todas essas atividades.

Seus trabalhos são realizados em parceria com o farmacêutico Rodney Alexandre Ferreira Rodrigues, que realiza pesquisas ligadas à farmacotécnica, que envolvem a preparação de fármacos, estudando a estabilidade, a toxidade e as formulações adequadas para os extratos medicinais.

Mary Ann diz que a idéia geral é, a partir de informes etnofarmacológicos – que correspondem ao conjunto de conhecimentos farmacológicos de práticas tradicionais de uma população ou sociedade nativa de uma região – identificar substâncias contidas em plantas, confirmar-lhes as propriedades que lhe são atribuídas e tentar viabilizar para o mercado produtos que tragam benefícios à sociedade. Entretanto, pondera a cientista, “para isso não basta identificar a substância e estudar o seu mecanismo de ação: precisamos viabilizar a utilização do produto. Para obter o registro de um produto é preciso garantir sua eficácia, que está relacionada à funcionalidade; sua segurança, que está afeita à ausência de toxidade e à dose correta em que deve ser aplicado; e sua padronização, que exige uma certa uniformidade da matéria prima vegetal utilizada”. E é aí que considera o papel de Rodney Alexandre Ferreira Rodrigues extremamente importante quanto aos estudos de estabilidade e formulação, pois são eles que vão garantir em que condições e por quanto tempo o produto se mantém adequado para o consumo. Ainda cabe-lhe determinar o tipo de apresentação: em injeção, em cápsulas, na forma de supositório, pomada, creme etc.

Rodrigues lembra que essa linha de pesquisa foi iniciada por Mary Ann há cerca de 14 anos. A idéia foi sempre partir de produtos que vêm sendo estudados e agregar-lhes valor. A Pterodon Pubescens Benth, popularmente conhecida com sucupira, foi uma das espécies pelas quais ela optou, devido aos seus propalados efeitos antiinflamatórios e de combate à dor. Popularmente ela é utilizada macerada em álcool ou água para curar dores e inflamações em geral.

O primeiro trabalho do grupo, lembra Mary Ann, foi orientado pelo professor João Ernesto de Carvalho, biomédico com formação em farmacologia. Nesse trabalho, Carina Denny, sua orientada, procurou confirmar o efeito antiinflamatório. Como inflamação e dor são distintas, um segundo estudo de mestrado, desenvolvido por Humberto Moreira Spindola e orientado por Mary Ann, deteve-se no efeito sobre a dor. Os dois trabalhos de mestrado confirmaram esses efeitos. Agora, no doutorado, Spindola dá continuidade à pesquisa dedicando-se a desvendar os mecanismos de ação da sucupira na inibição da dor.

A pesquisadora acrescenta que na literatura há referências de que muitos mecanismos de inflamação estão relacionados com caminhos que também podem inibir o desenvolvimento de células cancerígenas. Os resultados a que o grupo chegou mostram-se promissores em relação à linhagem do câncer da próstata. E esta constitui a sua maior descoberta.

A semente de sucupira e as substâncias dela extraídas: pesquisas têm várias etapas

A semente de sucupira e as substâncias dela extraídas: pesquisas têm várias etapas

A semente de sucupira e as substâncias dela extraídas: pesquisas têm várias etapas

O que foi feito

Os pesquisadores partiram do óleo fixo, não volátil, da semente de sucupira e tentaram verificar os componentes da grande mistura que o constituem. A planta produz, para subsistir, uma série de substâncias como mecanismo de defesa e de adaptação ao meio em que se encontra. Dessas conseguiram isolar varias já conhecidas e relatadas na literatura e uma inédita, que se revelou particularmente interessante na inibição da linhagem de células do câncer de próstata em estudos in vitro. Agora estão sendo iniciados os estudos para o combate às células cancerígenas em animais. Confirmados os resultados positivos, o passo seguinte será o estudo do mecanismo de ação, a exemplo do que também estão fazendo em relação à dor.

Contrariando a crença popular de que o que é natural não faz mal, mito que os pesquisadores fazem questão de desfazer, as substâncias que as plantas produzem são muitas vezes tóxicas ou o organismo humano não consegue digeri-las ou assimilá-las. Por isso, impõe-se um cuidadoso estudo da ação das moléculas e até introduzir-lhes transformações químicas que levem à diminuição da toxidade e aumento da segurança, potencializando inclusive a ação. Mary Ann diz que “isso é feito diante da necessidade de aumentar a eficiência e a segurança, garantindo uma padronização, de forma que em todos os lotes produzidos tenha-se o mesmo produto”.

Os critérios
Como a sucupira apresenta uma gama muito grande de substâncias, os pesquisadores isolaram algumas delas adotando como critério a atividade. Para isso o extrato foi inicialmente separado em três frações com características diversas, sendo selecionada a mais reativa, que apresentou caráter hidrofílico. Esse grupo foi então separado em outros até que se chegou a um com cerca de 30 substâncias, das quais ao final foram isoladas e devidamente identificadas sete. A partir destas foram feitas várias modificações nas estruturas, mantido o esqueleto básico, e chegaram a alguns compostos com o objetivo de comparar atividades e toxidades. Verificaram que a introdução de alguns grupos funcionais em determinadas posições melhorava a atividade da molécula e diminuíam o efeito tóxico.

Mas o grupo já havia anteriormente, quando da separação e identificação das cinco primeiras substâncias, procurado entender porque apresentavam diferentes atividades. Verificaram então que o esqueleto básico era o mesmo e ocorriam apenas variações na natureza e na posição dos substituintes, o que influenciava drasticamente as respostas observadas. Entre as cinco moléculas inicialmente identificadas, encontraram uma ainda não descrita na literatura, inédita, e que apresentava atividade muito superior às das moléculas já conhecidas.

Outra constatação foi a de que os produtos encontrados resultavam da decomposição de compostos que estavam na semente, mas que não se encontravam originalmente nelas e que apresentam uma atividade maior do que as substâncias originais da semente. Agora estão tentando entender esse comportamento e verificando como ele se dá durante o período de estocagem, fundamental para utilização farmacológica que persegue a padronização do produto final.

A propósito, os pesquisadores enfatizam que um dos objetivos da linha de pesquisa é permitir o isolamento de substâncias de plantas com vistas a utilizar o princípio ativo em medicamentos. Mas igualmente pode-se desenvolver um medicamento fitoterápico, que resulta da mistura de substâncias, que deve ter composição determinada e por isso padronizada.

Mary Ann considera que a observação da grande relação entre a atividade antiinflamatória e anticancerígena permitiu trabalhar com modelos in vitro, que requerem muito menos substâncias, o que permitiu agilizar o trabalho.

Ela entende ainda que o trabalho, além de valorizar nossas riquezas, pode conduzir a novas substâncias, capazes de tratar doenças antiinflamatórias, dores e determinadas variedades de câncer. Esse é o grande desafio. Rodrigues acrescenta que a sucupira é uma planta do Cerrado, bioma que tem se mostrado tão ou até mais interessante que a própria Amazônia. Considera que esse apelo ecológico constitui uma razão para defender sua preservação.

Os estudos dos pesquisadores permitem ainda verificar se a substância isolada funciona melhor que a mistura. Dizem que hoje em dia há uma crescente tendência de destacar o sinergismo das misturas. Mary Ann afirma: “Uma substância pura tem a grande desvantagem dos efeitos colaterais e muitas vezes as misturas já contêm os componentes que inibem a toxidade. Está se retomando de forma muito intensa a revalorização do uso de medicamentos fitoterápicos”.

Com o objetivo de melhorar a estabilidade dos extratos e substâncias isoladas, eles são submetidos aos estudos de microencapsulação. Para isso se usa a técnica do Spray-dryer-SD (atomização e secagem), em que uma mistura de uma emulsão constituída de óleo fixo da substância, de água e de um polímero (como goma-arábica) é submetida no SD a uma corrente de ar seco. Resultam microcápsulas de óleo, em que o polímero constitui o envoltório. O que se pretende com isso é verificar o que tem efeito melhor, o óleo ou a substância pura. O revestimento levaria a um efeito tóxico? Se o produto encapsulado continua com a atividade, pode-se pensar no desenvolvimento de vários produtos, de pomadas antiinflamatórias até o medicamento para tratamento de câncer.

Fontes:
Plantas Medicinais e Fitoterapia: Chá de semente de sucupira: benefícios e propriedades medicinais
[ESTUDO] Avaliação da atividade antimicrobiana do extrato etanólico bruto da casca da sucupira branca (Pterodon emarginatus Vogel) – Fabaceae
Abril M de Mulher: Conheça os principais riscos de consumir semente de sucupira
Jornal da Unicamp: Pesquisas do CPQBA confirmam propriedades curativas da sucupira

26 Comments

  • vanir rezende disse:

    Uma maneira de se usar a sementes de sucupira, é colocar 7 sementes em vinho branco ou tinto suave, deixando macerar por uma semana, no escuro. Antes de
    por no vinho, bater levemente com o martelo cada semente até ver o óleo minando, por rápido no vinho para não desperdiçar o óleo. Tomar um cálice no almoço e no jantar. Descansar 15 dias e retornar ao uso, por 3 vezes consecutivas.

  • Adelane w .veroneze muraoka disse:

    Para fazer 3 litros o Juca de Oliveira usou 6 sementes ,7 sementes não seria muito em 1 litro de vinho?

  • Felipe Cordeiro disse:

    Beleza!

  • Felipe Cordeiro disse:

    Beleza. Gostei muito!

  • maria de mendonça furtadocunha disse:

    quero a receita do chá sucupira , tratamento de atroes generalizada
    obrig

  • Zilda Rezende disse:

    Adorei

  • cris disse:

    claro que cada pessoa coloca quantas sementes quiser meu marido costuma por umas 15 em um litro de vinho branco seco

  • José Lisboa disse:

    7 sementes não são demais para uma garrafa de vinho ? ou essa quantidade e o suficiente ?

  • Joelma disse:

    coloco de 2 a 3 sementes quando essas são grandes. Se pequenas coloque umas 4. Pois se passar do ponto fica amargo e não tem quem tome.

  • Hudson Costa disse:

    Parabéns aos pesquisadores da UNICAMP,aos meus vizinhos Xacriabás e a todos que contribuíram para essa excelente pesquisa sobre a sucupira!

  • Tatiana disse:

    Este chá de semente de sucupira serve também para rutura de ligamento?

  • Nazaré leao disse:

    Dez sementes partida de em uma garrafa de vinho, tomar uma colher desse vinho diluído em uma xícara de água pela manhã já uso há muitos anos funciona mesmo .até esqueci das dores que tinha nos pés , pois só usava sapatos acolchoados e também nos joelhos que dificultava agachamento de forma rápida

  • maurinho disse:

    Vou fazer para conferir…

  • Conceiçao disse:

    Eu ja faço uso da tintura de sucupira e me dou muito bem,dimonuiu muito a dor na coluna,mas o vinho eu ja tinha a receita so vou checar se é igual,como nao moro no Brasil e aqui n tem sucupira ,ja troxe as sementes,pois está acabando a tintura e vou tomar o vinho.

  • Wanderlei D. M disse:

    Alguém tem muita facilidade destas sementes pois eu não tenho alguém pode me ajudar tenho espondilite anquilosante ;sinto dor todos os dias e os remédios (drgas) farmacêuticas só judiao depois de um período.

  • ana maria disse:

    gostaria de saber aonde eu encontro essa semente pra comprar por favor eu moro no rio de janeiro

    • Corina disse:

      Em são Paulo vc encontra em lugares que vendem remédios naturais na praça da seme passa se WATSS sapp pelo meu imail que eu te envio o endereço de onde vende

  • Luziia Santos disse:

    Eu realmente, testei o chá da sucurira e abaixo de Jesus, me libertou de fortes dores, dormenças e quentura nas duas mãos, tomei após ver a entrevista do juca de oliveira no Jô Soares e havia guardado duas sementes a cerca de 5 anos, até cheguei a pensar q não prestavam mais, então como ele ensinou 4 sementes pra um litro de água, fiz 2 sementes em meio litro e ainda reparti com minha vizinha q sofria dia e noite com dores no corpo todo e, mais a asma, tá muito bem sem dor alguma e sempre ensina pras amigas. Quanto a mim graças a Deus não sinto mais nada… E continuo tomando, com a pausa dos 15 dias é claro!..

  • ANETE disse:

    EM QQ CASA DE PRODUTOS NATURAIS VENDEM? NO RIO OU EM MANAUS, ONDE PODERIA COMPRAR?

  • MARIA IONEIDE SOARES RODRIGUES disse:

    o xha de sukupira serve para sirkulação?

  • Maria Eliene da Silva disse:

    Tenho artrite sofro muito com tanta dor, moro no interior de Alagoas, e aqui não tem esta semente , Como faço pra adquirir esta sementes

  • Anete Cristina Huldebrand disse:

    a mistura de semente de sucupira, álcool cereal + água, ferver e deixar esfriar e depois tomá-lo durante o dia, ajuda abaixar diabetes????

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Suporte nosso site
Social PopUP by SumoMe