Notícias Naturais
Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someone

seraliniApós o estudo de Serralini sobre transgênicos, onde descobriu que o milho transgênico NK603 da Monsanto causa até três vezes mais câncer e mortes precoces, ter sido massacrado pela mídia e pelas ditas autoridades alimentares, diretrizes da Autoridade de Segurança Alimentar da Europa validam seus estudos, contrariando os seus críticos.

Seralini foi validado por novas diretrizes da EFSA sobre experimentos transgênicos a longo prazo.

A Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) emitiu orientações para estudos alimentares de dois anos para avaliar o risco de toxicidade a longo prazo dos alimentos transgênicos.

Este é um documento fascinante que em grande parte valida a metodologia e as opções de Prof GE Seralini em seu estudo de 2012 sobre o milho transgênico NK603 – metodologia e escolhas pelas quais a EFSA e inúmeros outros críticos previamente o atacaram.

Pontos específicos a serem observados:

1. EFSA admite que “não existe nenhum protocolo ou diretrizes padronizadas para este tipo de estudo e os candidatos [da indústria] têm que adaptar os protocolos existentes” – da mesma forma como Seralini também fez.

2. A EFSA informa que a mesma estirpe de rato que foi utilizado no estudo de 90 dias sobre alimentos transgênicos (OGM) deve ser usado em estudos de mais longa duração – sustentando assim a utilização por Seralini da ratazana Sprague-Dawley, que a Monsanto utilizou no seu estudo de 90 dias sobre o mesmo milho.

3. A EFSA diz que animais devem ser alimentados ad libitum (expressão latina que significa “à vontade”), que Seralini fez, mas que críticos reclamaram que tornou impossível medir o consumo de comida e água individualmente.

4. A EFSA admite que você não precisa necessariamente uma hipótese estreita e fixa e que tal estudo pode ser “exploratório”, apesar da sua alegação anterior de que o experimento de Seralini foi falho porque (de acordo com a EFSA) não teria uma hipótese ou objetivo claro.

5. A EFSA recomenda contra o uso de grupos de controle extra ou “dieta de referência”, comumente incluídos pela Monsanto em seus estudos de 90 dias, alimentados com uma variedade de dietas supostamente não-transgênicas, com o fundamento de que os controles concorrentes são os controles válidos e o que está sendo testado representa a diferença entre a variedade transgênica e do comparador não-transgênico. Seralini foi criticado por muitos por não incluir estes grupos de controle extra espúrias e assim ter “controles inadequados”.

6. A EFSA adverte fortemente CONTRA confiar em dados históricos de controle, e se for utilizado, os restringe para dentro de 5 anos da experiência atual e na mesma instalação de testes. Esta é uma exigência muito mais rigorosas do que a indústria já se aplica, uma vez que a indústria utiliza os dados antigos a partir de uma ampla variedade de fontes.

A EFSA diz: “O uso de dados históricos de controle devem ser considerados com cautela Os controles históricos podem não ser úteis, pois a incidência de lesões neoplásicas (ou não-neoplásica), ou seja, a ocorrência ou não de tumores, seria possivelmente de animais de controle mantidos em dietas diferentes do que a dieta aplicada no estudo alimentar, e porque a própria dieta (alto/baixo teor de gordura, o tipo de gordura, porcentagem de carboidratos, o tipo de carboidratos, etc), pode influenciar a formação de lesões neoplásicas ou não neoplásicas. Onde a formulação da dieta usada no experimento para os grupos de controle não pode ser demonstrada ser equivalente àquelas utilizadas para a geração de dados históricos de controle, a inclusão pode ser considerada de um grupo de controle adicional (tão semelhante quanto possível quanto os controles históricos), em adição ao(s) grupo(s) de controle simultâneos“.

É lamentável que ao corretamente condenar o uso de dados de estudos anteriores, no entanto, a EFSA permite controle extra naqueles grupos “de referência” que justamente condenou no item (5) acima.

7. A EFSA recomenda um mínimo de 10 animais por sexo por grupo para a fase de toxicidade crónica, o mesmo número utilizado por Seralini.

8. A EFSA recomenda alojar os animais em pares, como Seralini fez, sendo que assim o consumo de alimentos não pode ser medido individualmente.

9. A EFSA requer uma análise a priori do poder estatístico para garantir o tamanho de amostra adequado, dependendo do tamanho do efeito que está sendo procurado. Nós nunca vimos a indústria produtora de transgênicos fazer isto, resultando em experiências quase garantidas que não encontrarão nada. Veja os comentários da equipe do Seralini sobre isso (em inglês).

No geral, estamos satisfeitos em ver a EFSA levando em conta nossas lições de advertência sobre falsos grupos de controle de “referência” e os dados históricos de controle (mesmo se no mesmo documento, a EFSA posteriormente, permite o uso de ambos!), Bem como validando os aspectos da experiência de Seralini pelas quais ele foi mais criticado.

Fontes:
GM Watch: Seralini validated by new EFSA guidelines on long-term GMO experiments
EFSA: Considerations on the applicability of OECD TG 453 to whole food/feed testing
Blog Anti-NOM: [ESTUDO] Transgênicos da Monsanto Causam até Três Vezes Mais Câncer e Mortes Precoces

(616)

Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someone

Posts relacionados:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Suporte nosso site
Social PopUP by SumoMe