Notícias Naturais
Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someone
Transgênicos da Monsanto Causam até Três Vezes Mais Câncer e Mortes Precoces

Update: veja neste novo post como Seralini foi validado por novas diretrizes da EFSA sobre experimentos transgênicos a longo prazo.

Eu havia postado 2 anos atrás um estudo muito parecido sobre os transgênicos e seu riscos, mas apenas agora a mídia corporativa está começando a alertar sobre o assunto.

Recomendo a leitura deste apanhado de artigos (que inclui este estudo) postado no Fórum Anti-NOM.

Abaixo o artigo que saiu no UOL:

 

Estudo compara tumor de cobaias alimentadas com milho transgênico: o risco aumentou até três vezes

Os ratos alimentados com alimentos transgênicos morrem antes e sofrem de câncer com mais frequência que os demais, destaca um estudo publicado nesta quarta-feira (19) pela revista Food and Chemical Toxicology, que considera os resultados “alarmantes”.

Os resultados são alarmantes. Observamos, por exemplo, uma mortalidade duas ou três vezes maior entre as fêmeas tratadas com organismos geneticamente modificados [transgênicos]. Há entre duas e três vezes mais tumores nos ratos tratados dos dois sexos“, explicou Gilles-Eric Seralini, professor da Universidade de Caen, que coordenou o estudo.

Para fazer a pesquisa, 200 ratos foram alimentados durante um prazo máximo de dois anos de três maneiras distintas: apenas com milho OGM NK603, com milho OGM NK603 tratado com Roundup (o herbicida mais usado no mundo) e com milho não alterado geneticamente, mas tratado com Roundup – o milho transgênico (NK603) e o herbicida são produtos do grupo americano Monsanto.

Durante o estudo, o milho integrava uma dieta equilibrada, em proporções equivalentes ao regime alimentar nos Estados Unidos.

Os resultados revelam uma mortalidade muito mais rápida e importante durante o consumo dos
dois produtos“, afirmou Seralini, cientista que integra ou integrou comissões oficiais sobre os alimentos transgênicos em 30 países. “O primeiro rato macho alimentado com transgênicos morreu um ano antes do rato indicador (que não se alimenta com transgênicos). A primeira fêmea oito meses antes. No 17º mês são observados cinco vezes mais machos mortos alimentados com 11% de milho (transgênicos)“, explica o cientista.

Os tumores aparecem nos machos até 600 dias antes que nos ratos indicador (na pele e nos rins). No caso das fêmeas (tumores nas glândulas mamárias) aparecem uma média de 94 dias antes naquelas alimentadas com transgênicos.

Pela primeira vez no mundo, um transgênico e um pesticida foram estudados por seu impacto na saúde a mais longo prazo do que haviam feito até agora as agências de saúde, os governos e as indústrias“, disse o coordenador do estudo.

——————————–

Outros artigos na mídia corporativa são mais céticos em relação a este estudo.

Esta matéria na Reuter coloca em dúvida o artigo citando o porta-voz da Monsanto, que disse:

“Numerosos estudos científicos peer-reviewed realizados em culturas biotecnológicas até esta data, incluindo mais de uma centena de estudos de alimentação, têm continuamente confirmado a sua segurança (dos transgênicos), como se reflete nas respectivas avaliações de segurança das autoridades regulatórias em todo o mundo.

O título da matéia na Reuters, “Estudo mostrando preocupações sobre o milho transgênico da Monsanto levanta ceticismo“, tendencioso no mínimo, mostra muito bem o lobby gigantesco das empresas de limentos geneticamente modificdos.

———————————-

Está cada vez mais difícil esconder os efeitos nocivos dos transgênicos, e podem ter certeza que esta indústria irá tentar contra-atacar, através do seu gigantesco lobby e da manipulada mídia corporativa, qualquer estudo que mostre realidade.

Fontes:

[ESTUDO] Science Direct: Long term toxicity of a Roundup herbicide and a Roundup-tolerant genetically modified maize

Estudo na Íntegra

Forum Anti-NOM: Efeitos dos Transgênicos na Saúde

Digital Journal: Monsanto’s GM corn and weedkiller cause rats tumors and mortality

Reuters: Study on Monsanto GM corn concerns draws skepticism

Posts relacionados:

Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someone

5 Comments