Notícias Naturais

Nós alimentamos o mundo (filme)

6 de agosto de 2009
Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someone

we feed the worldTodos os dias em Viena a quantidade de pão não vendido que é enviado de volta para ser jogado fora seria suficiente para alimentar a segunda maior cidade da áustria, Graz.

Por volta de 350.000 hectares de terras agrícolas, em sua maior parte na América Latina , são dedicadas ao cultivo de soja para alimentar os animais na Áustria, enquanto 1/4 da população local passa fome. Todo europeu come 10 kilos todo ano de hortaliças irrigadas artificialmente em estufas, provenientes do sul da Espanha, ocasionando falta de água.
Em “Nós alimentamos o mundo“, o cineasta austríaco Erwin Wagenhofer traca as origens dos nossos alimentos. Sua jornada o leva a Franca, Espanha, Romênia, Suíça, Brasil e de volta para a Áustria.
Este filme é sobre alimentos e globalização, pescadores e agricultores, motoristas de caminhão de longas jornadas e executivos de grandes corporações, o fluxo de bens e de dinheiro, um filme sobre escassez em meio a abundancia. Com imagens inesquecíveis, este filme prove um insight na produção de nossos alimentos e responde a questão: “o que que a fome mundial tem a ver conosco“. Entrevistados não são apenas pescadores, agricultores, agrônomos, biólogos e Jean Ziegler da ONU, mas também o diretor de produção da Pioneer, a maior companhia de sementes do mundo e também Peter Brabeck, presidente e CEO da Nestlé Internacional, a maior companhia de alimentos do mundo.
Um filme que vai mudar a forma como você vê os alimentos.
Share on Facebook0Tweet about this on TwitterShare on Google+0Email this to someone

Posts relacionados:

4 Comments

  • Claudio Victor Freesz disse:

    Sou especialista em Direito Agroambiental pela UFMT e chef de cozinha pelo SENAC
    O filme “Nós alimentamos o mundo” nos dá uma visão pontual e realistica do que fingimos não querer saber em prol de uma comodidade.
    A fome não tem explicação plausível. O que vimos é a corrupção do governos e grandes marcas as custas dos hipossuficientes.
    Podemos mudar isso. Os híbridos sem freios inibiram por vez os produtos orgânicos. Se não dissermos não hoje, nossos filhos só saberão o que é um produto orgânico pelos livros de história.
    E para quem é chef sabe. O sabor e os nutrientes não tem comparação.
    Essa mudança só beneficia as multinacionais de alimentos e os governos subalternos.
    Claudio Freesz

    Curtiu ou não o comentário?: Positivo 0 Negativo 0

  • Juliano Getulio Zoz disse:

    Gostaria de saber se podem me informar o link para este filme de Erwin Wagenhofer, pois nesta notícia não consigo localizar o vídeo.

    Muito grato, com um sincero abraço

    Juliano G. Zoz
    RG: 336.960-SESPDC/SC

    Curtiu ou não o comentário?: Positivo 0 Negativo 0

    • admin disse:

      Olá Juliano, algum tempo atrás eu verifiquei também que o vídeo não estava mais disponível e não encontrei uma versão legendada dele. Vou tentar novamente. Obrigado por comentar.

      Curtiu ou não o comentário?: Positivo 0 Negativo 0

  • giuliano candido disse:

    Ok pura verdade

    Curtiu ou não o comentário?: Positivo 0 Negativo 0

1 Trackback or Pingback

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Close
Suporte nosso site
Social PopUP by SumoMe